Ex-secretário de Haddad deve substituir Weintraub interinamente

Formado em Direito, Antonio Paulo Vogel já trabalhou em gestões petistas no passado. Ele foi secretário-adjunto de Finanças de Fernando Haddad

Por Igor Gadelha, CNN  
18 de junho de 2020 às 17:40 | Atualizado 18 de junho de 2020 às 18:38
O secretário-executivo do Ministério da Educação, Antônio Paulo Vogel, em entrevista coletiva
Foto: José Cruz - 04.jun.2019/Agência Brasil


O presidente Jair Bolsonaro deve escolher o atual secretário-executivo do Ministério da Educação, Antonio Paulo Vogel de Medeiros, para ser o substituto interino de Abraham Weintraub no comando da pasta. Vogel estava como número 2 do órgão desde abril de 2019, por indicação do próprio Weintraub.

Formado em Direito, Vogel já trabalhou em gestões petistas no passado. Ele foi secretário-adjunto de Finanças de Fernando Haddad na Prefeitura de São Paulo.

Leia também:

Abraham Weintraub: Ministro da Educação acumulou polêmicas em 14 meses no cargo

'Alívio' e 'guerreiro': as reações de políticos à saída de Weintraub

Segundo apurou a CNN, Vogel se reuniu com Bolsonaro ao menos duas vezes nas últimas horas: uma nesta quarta-feira (17) e outra na manhã desta quinta-feira (18). O agora ex-ministro Abraham Weintraub e seu irmão, Arthur Weintraub, assessor especial da Presidência, participaram dos encontros. 

Nome inicialmente cotado para o posto, o atual secretário nacional de Alfabetização, Carlos Nadalim, acabou sendo vetado, após resistências a seu nome, como noticiou a analista de política Thais Arbex. O recado foi de que trocar Weintraub por Nadalim seria trocar seis por meia dúzia. 

“Chegou o recado para o presidente que, se fosse pra colocar o Nadalim, era melhor deixar o Abraham. O Nadalim é ainda mais conservador do que o Abraham, além de ser realmente próximo ao Olavo”, afirmou à CNN um auxiliar presidencial, que acompanhou as discussões sobre a troca no MEC.

*Errata: Ao contrário do que informado anteriormente, Vogel não foi diretor do fundo de investimento do FGTS na gestão do petista Miguel Rosseto à frete do Ministério do Desenvolvimento Agrário e do Trabalho. O texto foi corrigido.