Bolsonaro critica OMS e diz que ninguém quer maquiar números da pandemia no país

'Ninguém quer esconder números, muito pelo contrário, nós queremos é mostrar os números reais', disse o presidente em uma rede social

Reuters
18 de junho de 2020 às 21:29
Presidente da República Jair Bolsonaro
Foto: Adriano Machado - 17.jun.2020/Reuters

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), voltou a criticar a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira (18) e disse que ninguém deseja maquiar números da pandemia no Brasil, depois das contestações sobre a divulgações de informações pelo governo.

"Ninguém quer esconder números, muito pelo contrário, nós queremos é mostrar os números reais", disse o presidente em uma rede social.

No início do mês, o Ministério da Saúde (MS) reduziu as informações divulgadas sobre mortes e casos do novo coronavírus, mas retomou a divulgação mais completa após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

Assista e leia também:

OMS espera produção de vacina para Covid-19 ainda em 2020; pesquisas seguem
Para OMS, Covid-19 pode voltar a ganhar força no Brasil
Covid-19: estudo europeu indica que pessoas com sangue tipo A correm mais riscos

Nesta quinta-feira (18), segundo dados do ministério, o Brasil chegou a 978.142 casos confirmados da Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, e 47.748 mortes. O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de casos e mortes, atrás apenas dos Estados Unidos.

Na live, no entanto, Bolsonaro voltou a colocar em dúvida a veracidade dos números da pandemia no país. "A questão dos números deixa muita gente em dúvida ainda, morreu de Covid-19 ou com Covid-19?", questionou o presidente.

Bolsonaro também aproveitou a transmissão para mais uma vez criticar a OMS.

"Com todo o respeito, o que menos tem de ciência é a nossa OMS. Parece que não acerta nada, fica num vaivém o tempo todo", disse o presidente, que já ameaçou retirar o Brasil da organização após a pandemia.