Criminalista explica que é preciso ter provas contra Wassef no caso Queiroz

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro foi encontrado na casa de advogado do senador

Da CNN
19 de junho de 2020 às 12:29

O advogado criminalista João Paulo Martinelli, professor do Ibmec, explicou à CNN, nesta sexta-feira (19), explicou as implicações do fato de Fabrício Queiroz ter sido encontrado na propriedade do advogado Frederick Wassef, que representa o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

"Por enquanto, não dá para afirmar a prática de crime porque Queiroz não era considerado foragido - porque para isso precisa ter mandado de prisão expedido, e, até então, não tinha", esclareceu ele.

"A única possibilidade de incriminar o advogado seria com provas de que, dolosamente, ele estaria também participando das condutas ilícitas junto com a pessoa que foi presa", acrescentou. 

E concluiu: "Então não há qualquer evidência, reconhecida pelo MP, de que o advogado estaria colaborando na obstrução da investigação. Tecnicamente, não dá para afirmar isso, só a partir do momento que há um mandado de prisão".

Leia também:

Queiroz foi preso em imóvel de Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro
Bolsonaro é orientado a se afastar de Wassef e não falar mais sobre Queiroz

Wassef ainda não se manifestou sobre o caso, mas segundo apuração do analista de política Igor Gadelha, da CNN, aponta que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi orientado para que se afaste dele, que é advogado do próprio presidente da República - no caso Adélio Bispo - e de Flávio.

Ministros da área jurídica e advogados do presidente pediram que ele evite se encontrar e até falar por telefone com Wassef. 

(Edição: Leonardo Lellis)