Abraham Weintraub é exonerado do MEC


Marina Motomura Da CNN, em São Paulo
20 de junho de 2020 às 11:49 | Atualizado 20 de junho de 2020 às 12:32

Abraham Weintraub foi exonerado neste sábado (20) do Ministério da Educação. Ele deixou o cargo há dois dias.

A exoneração foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União, que cita que a saída dele foi "a pedido". O ex-ministro já está nos Estados Unidos, confirmaram à CNN o MEC e o irmão do ex-ministro, Arthur.

Na sexta-feira, Weintraub disse ao colunista Igor Gadelha que a viagem aos EUA devia-se a ameaças de morte que estaria recebendo. “A prioridade total é que eu saia do Brasil o quanto antes. Agora é evitar que me prendam, cadeião e me matem”, disse.

O ministro deixou o cargo na última quinta-feira e irá ocupar um cargo de direção no Banco Mundial.

Economista de formação e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Weintraub estava no cargo desde abril de 2019, quando substituiu Ricardo Vélez Rodríguez.

No período, acumulou polêmicas envolvendo o orçamento das universidades federais, o adiamento do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), acusações de racismo e críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF). 

O presidente Jair Bolsonaro escolheu o atual secretário-executivo do ministério, Antonio Paulo Vogel de Medeiros, para assumir o comando da pasta interinamente, como a CNN noticiou ainda na tarde desta quinta-feira.

Leia também:

Jurista avalia se Weintraub usou cargo de ministro para ir para exterior

Falta de sinal do STF sobre prisão acelerou saída de Weintraub do país

Weintraub tem passaporte diplomático desde julho de 2019

Abraham Weintraub: Ministro da Educação acumulou polêmicas em 14 meses no cargo

 

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante entrevista coletiva em Brasília

Foto: José Cruz/Agência Brasil (3.dez.2019)