Novo advogado quer que Flávio Bolsonaro seja ouvido em apuração de 'rachadinha'

Segundo Rodrigo Roca, o senador precisa prestar esclarecimentos para que o caso contra ele seja arquivado

Reuters
22 de junho de 2020 às 23:32 | Atualizado 22 de junho de 2020 às 23:34
Senador Flávio Bolsonaro
Foto: Ueslei Marcelino/REUTERS 12/03/2019


O novo advogado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) disse que protocolou nesta segunda-feira (22) no Ministério Público do Rio de Janeiro pedido para que o parlamentar preste esclarecimentos no âmbito da investigação da "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Segundo o advogado Rodrigo Roca, ex-defensor do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, o senador precisa prestar esclarecimentos para que o caso contra ele seja arquivado.

Leia também:

Wassef diz que deixará defesa de Flávio para não prejudicar Bolsonaro

Queiroz foi preso em imóvel de Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro

“A defesa requereu nesta data a oitiva do senador Flávio Bolsonaro nos autos do procedimento investigativo, considerando-se que ele nunca havia sido chamado para prestar declarações na condição de investigado”, disse.

“Com essas declarações e a evolução das investigações, a defesa não tem dúvidas de que tudo será esclarecido e a Justiça será feita com o arquivamento”, acrescentou.

Paralelamente, a defesa de Flávio Bolsonaro tenta paralisar a investigação no MP do Rio alegando que ela deveria ocorrer no órgão especial do Tribunal de Justiça, uma vez que o caso envolve um ex-deputado estadual com prerrogativa de foro.

“Estou me preparando para esse julgamento dessa semana e o Flávio precisa ser ouvido porque nunca foi chamado“, frisou.

O caso foi descoberto pela operação Furna da Onça em 2018, que mirou um pagamento de propina para deputados da Alerj por parte do grupo ligado ao ex-governador Sérgio Cabral.

Relatórios do então Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que embasaram a operação, mostraram movimentos atípicos nas contas de parlamentares e assessores, entre eles o ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz, lotado no gabinete de Flávio Bolsonaro. Queiroz foi preso na semana passada.