Bolsonaro retorna ao Palácio da Alvorada após viagem a Araguari

Presidente visitou o Batalhão Ferroviário da cidade mineira na companhia do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas

Da CNN
27 de junho de 2020 às 17:32 | Atualizado 27 de junho de 2020 às 18:23

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), retornou no período da tarde deste sábado (27) para o Palácio da Alvorada, em Brasília, após viajar nesta mesma data para Araguari, Minas Gerais. Bolsonaro chegou à sua residência oficial de helicóptero.

Em Araguari, Bolsonaro visitou o Batalhão Ferroviário da cidade na companhia do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e causou aglomeração durante o passeio, considerado "compromisso privado".

A ida do presidente não constou de sua agenda oficial.

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, também participou da visita, segundo a assessoria do Planalto.

A viagem ocorreu simultaneamente ao anúncio do governo sobre um acordo de cooperação para produção em território nacional de vacina de prevenção à Covid-19, em parceria com a Universidade de Oxford (Reino Unido) e a AstraZeneca. O Brasil já registra mais de 55 mil mortes decorrentes da doença causada pelo novo coronavírus.

Em um dos vídeos da visita à cidade mineira postados nas redes sociais, Bolsonaro aparece ignorando recomendações de proteção e isolamento social contra a Covid-19 e cumprimentando soldados do Exército após apresentação do Hino Nacional.

Ele não utilizou máscara ao cumprimentar os soldados nem quando pousou para tirar fotos com apoiadores que o esperavam no local.

Quando chegou ao município, por volta das 11 horas deste sábado, Bolsonaro provocou uma primeira aglomeração. Ao pousar na base da Polícia Rodoviária Federal, ele tirou a máscara para cumprimentar de longe apoiadores que o aguardavam na rodovia.

Nesta semana, um juiz do Distrito Federal determinou que o presidente deve ser obrigado a usar máscara em espaços públicos da capital.

A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu da decisão. O uso do equipamento de proteção também é obrigatório em todo o Estado de Minas Gerais desde abril.

(Com informações do Estadão Conteúdo)