Aras garante maioria apertada no Conselho do Ministério Público

Em outra eleição, procuradores impuseram uma derrota ao PGR e conseguiram mandar para o mais importante órgão do MPF 2 colegas críticos ao trabalho de Aras

Fernando Molica
Por Fernando Molica, CNN  
30 de junho de 2020 às 22:44 | Atualizado 30 de junho de 2020 às 23:10
O procurador-geral da República, Augusto Aras
Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O resultado da eleição para o Conselho Superior do Minitério Público Federal garantiu ao procurador-geral da República, Augusto Aras, a maioria de votos no colegiado. 

No pleito realizado nesta terça (30), 74 subprocuradores-gerais elegeram outros dois integrantes do Conselho: Maria Caetana Cintra Santos (aliada de Aras) e José Bonifácio Borges de Andrada.

Em outra eleição, semana passada, procuradores da República de todo o país impuseram uma derrota ao PGR e conseguiram mandar para mais importante órgão do MPF dois colegas que têm posição crítica em relação a Aras.

O Conselho tem dez integrantes, entre eles, o próprio Aras. Com o resultado das duas eleições, houve um empate --haverá cinco alinhados ao o PGR e outros cinco que lhe fazem uma espécie de oposição. Mas, pelas normas do colegiado, o procurador-geral tem direito ao voto de desempate.

A maioria no órgão garante a Aras controle sobre a composição de eventuais forças-tarefas, a realização de sindicâncias e correições e sobre os critérios para a distribuição de inquéritos. Sua antecessora no órgão, Raquel Dodge, também precisou do voto de desempate para garantir maioria no colegiado.