Aliados de Gilmar apostam que PGR e STF vão barrar representação da Defesa

Na avaliação dos aliados, mesmo que Aras peça ao Supremo a abertura de inquérito contra o ministro, os colegas dele na corte não autorizarão a investigação

Por Igor Gadelha, CNN  
15 de julho de 2020 às 08:29 | Atualizado 15 de julho de 2020 às 10:26

Aliados de Gilmar Mendes no Judiciário apostam que a Procuradoria-Geral da República (PGR) vai arquivar a representação contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) protocolada na tarde esta terça-feira (14) pelo ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva.

Leia também

Pazuello deve deixar Ministério da Saúde após Bolsonaro escolher novo ministro

'Exército está se associando a genocídio', diz Gilmar Mendes

No documento, Azevedo pede que a PGR apure suposta infração de Gilmar à Lei de Segurança Nacional e ao Código Penal Militar. Como de praxe, caberá ao procurador Augusto Aras ordenar uma apuração preliminar, para decidir pelo prosseguimento ou não. 

“Ninguém mexe com o Gilmar”, afirmou à CNN um ministro de tribunal superior em Brasília. Na avaliação dessa fonte, que é próxima a Gilmar, a briga entre o ministro do STF e os militares morrerá “por inação”. “Não vai precisar de nada”, prevê.

Na avaliação de aliados de Gilmar, mesmo que Aras peça ao Supremo a abertura de inquérito contra o ministro, os colegas dele na corte não autorizarão a investigação por corporativismo. “Você vê algum ministro do STF autorizando isso?”, questiona um aliado.