Pazuello retoma agenda, mas relatório do TCU deve trazer militarização à pauta

José Múcio Monteiro prometeu liberar até o início da próxima semana um relatório com número de militares que ocupam cargos civis no governo

Igor Gadelha e Kenzô Machida Da CNN, em Brasília
17 de julho de 2020 às 11:12 | Atualizado 17 de julho de 2020 às 11:17
Eduardo Pazuello, ministro interino da Saúde, durante pronunciamento
Foto: Gabriela Biló - 15.mai.2020/Estadão Conteúdo


Alvo de críticas pela “militarização” na pasta, o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, retomou a agenda normal no ministério, inclusive as viagens pelo Brasil. 

Nesta sexta-feira (17), o militar foi a São Paulo para reuniões. Na segunda-feira (20), deve embarcar para uma viagem pelos três estados do Sul, região onde a Covid-19 avançou nas últimas semanas.

Um levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU), porém, deve trazer o tema da militarização no Ministério da Saúde de volta à pauta política, na próxima semana. 

Leia também:

Três militares convocados por Pazuello já deixaram pasta da Saúde

Será que certos tipos sanguíneos nos tornam mais vulneráveis à Covid-19?

Plano de saúde distribui 'kit Covid-19' com cloroquina em Santa Catarina

O presidente do TCU, José Múcio Monteiro, prometeu a ministros da corte de contas liberar até o início da próxima semana um relatório com número de militares que ocupam cargos civis no governo.

O levantamento foi pedido em 17 de junho pelo ministro Bruno Dantas e deve trazer um panorama oficial do total de militares da ativa e da reserva que atuam na gestão Jair Bolsonaro.