Presidente do TCU vai aposentar e vaga deve ir para Centrão

Posto é de indicação da Presidência da República --Múcio foi colocado no TCU em 2007 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Caio Junqueira
Thais Arbex
23 de julho de 2020 às 18:25 | Atualizado 23 de julho de 2020 às 18:44

O Palácio do Planalto foi informado que o presidente do Tribunal de Contas da União, José Múcio Monteiro, vai antecipar em mais de dois anos sua aposentadoria e deve deixar o cargo no dia 31 de dezembro. Pela lei, ele só se aposentaria ao completar 75 anos, em setembro de 2023.

Com isso, o presidente Jair Bolsonaro terá uma vaga importante para colocar nas negociações para a sucessão das mesas do Congresso. Isso porque o posto de Múcio é de indicação da Presidência da República. Ele foi colocado no TCU em 2007 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A aposentadoria de Múcio ocorrerá um mês antes das eleições para a presidência da Câmara e do Senado. Nesse cenário, a escolha do sucessor torna-se um ativo importante para Bolsonaro influenciar a disputa nas duas Casas.

Tanto que o governo já analisa a situação sob essa ótica. Nos bastidores, o nome do vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira, presidente do Republicanos, já começa a circular como um dos mais fortes para a vaga de Múcio. A avaliação é a de que sua ascensão ao TCU resolveria parte da disputa pela sucessão de Rodrigo Maia. O nome indicado pelo presidente precisa ser aprovado pelo Senado.

Nesta quarta-feira (22), o deputado se reuniu com a bancada evangélica e indicou disposição em concorrer à presidência da Câmara.

Procurado pela CNN, Marcos Pereira se disse “honrado” em ser lembrado para uma vaga no TCU, mas afirmou que “ainda tem muito a contribuir com sua atuação no Legislativo”.

Mas há também quem opte por um nome estritamente técnico para ajudar o governo com as fiscalizações do Pró-Brasil. Nesse sentido, circulam os nomes dos ministros Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União). 

As sete cadeiras do TCU são algumas das vagas mais cobiçadas pelo universo político de Brasília. O salário é alto, assim como o prestígio político que ela dá. O motivo é que o TCU tem poder de fiscalizar toda a execução dos recursos públicos federais, o que faz com que seus ministros sejam ponto obrigatório de passagem de políticos e empresários.

O TCU tem nove cadeiras, sendo que três são indicações da Presidência da República, sendo uma de livre nomeação, caso da de Múcio. As outras seis são indicações do Congresso. A próxima presidente da corte de contas é Ana Arraes, que se aposenta em julho de 2022. A vaga, porém, é de indicação do Congresso. Procurado, Múcio disse que de fato avalia essa possibilidade.