Maia diz que Câmara vai discutir reforma para melhorar gestão do SUS

Para Maia, pandemia mostrou a importância do SUS para toda a sociedade e ele mesmo mudou sua opinião sobre o sistema público de saúde

Noeli Menezes, da CNN, em Brasília
24 de julho de 2020 às 11:05
Coletiva de Rodrigo Maia após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes (23.jul.2020)
Foto: CNN Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira (24), em entrevista à rádio Eldorado, que um grupo de deputados já começou a analisar a estrutura do SUS para propor projetos que melhorem a gestão, a integração de redes, do Sistema Único de Saúde.

Ele disse que a pandemia de Covid-19 mostrou a importância do SUS para toda a sociedade e que ele mesmo mudou sua opinião sobre o sistema público de saúde.

Leia mais:
Paulo Guedes encontra Rodrigo Maia e fala em "pacificação"
Gilmar Mendes mostrou 'preocupação' com imagem do Exército, diz Rodrigo Maia

Segundo Maia, a saúde é parte do tripé de reformas que considera fundamental para o pós-pandemia, junto com as mudanças tributárias e na administração pública.

O deputado voltou a defender um projeto que proíba a participação de militares da ativa no governo. Pela proposta, militares da ativa passariam automaticamente para a reserva se assumissem cargo civil.

“É uma questão que vai ter que ser resolvida mesmo que comece a valer só para o próximo governo, para não parecer que é contra A ou B.”

Impeachment

Sobre os mais de 40 pedidos de impeachment de Jair Bolsonaro protocolados na Câmara, Maia disse que só aceitaria analisar um denúncia contra o presidente se tivesse convicção de crime. “Não é o momento. O Brasil tem uma pandemia que ainda deve demorar semanas ou meses.”

Fake news

Para o democrata, houve uma redução na divulgação de notícias falsas com discurso de ódio após reações do Legislativo, com a CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) e o projeto das fake news, e do Judiciário, com o inquérito no Supremo Tribunal Federal que investiga ameaças e ataques aos ministros da corte.

“Diminuíram os ataques. Houve recuo daqueles que achavam que poderiam impor uma visão de mundo de ódio para toda a sociedade.”