Alerj vai recorrer de decisão que suspendeu comissão do impeachment de Witzel

Presidência da Casa defende que o recurso seja apresentado na semana que vem, quando se encerra o recesso do STF

Leandro Resende e Paula Martini, da CNN, no Rio
28 de julho de 2020 às 11:54 | Atualizado 28 de julho de 2020 às 12:23

A Assembleia Legislativa do Rio  vai apresentar até segunda-feira (03/08) um recurso contra a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu a comissão que analisa o impeachment do governador Wilson Witzel.

A presidência da Casa defende que o recurso seja apresentado na semana que vem, quando se encerra o recesso do STF e o caso voltará a ser analisado pelo ministro Luiz Fux, relator da matéria na Corte. 

Leia mais:
Se votação fosse hoje, Witzel teria só 3 votos contra impeachment em comissão
Toffoli suspende tramitação do processo de impeachment de Witzel

A CNN conversou com os deputados Chico Machado (PSD) e Rodrigo Bacellar (Solidariedade), presidente e relator da comissão que analisa o tema. Segundo eles, caso uma reconsideração da decisão do STF demore muito, a ideia é estabelecer uma nova comissão para avaliar o impeachment, nos moldes do que determinou o ministro Dias Toffoli na decisão que suspendeu o impeachment, com respeito ao tamanho dos partidos que têm assento na Casa.

 Segundo o ministro, a Alerj “inovou” ao colocar um deputado de cada partido na comissão que analisa o impeachment. 

“Foi uma vitória de Pirro do governador”, afirmou Chico Machado, em referência à expressão popular que faz referência às vitórias obtidas a alto preço, que podem trazer consequências. “Não podemos perder tempo, até para dar uma resposta à sociedade do Rio de Janeiro”, declarou Rodrigo Bacellar. 

A forma do recurso que será colocado junto ao STF ainda será discutido pela Procuradoria da Alerj, que participou da reunião com deputados. O tema também será levado a reunião de líderes dos partidos na tarde desta terça-feira.

Para os parlamentares, Toffoli concordou com a tese da defesa  - de que a comissão não respeitou a proporcionalidade dos blocos dos partidos - por não conhecer o funcionamento da Assembleia do Rio, onde não existem blocos de legendas.