Governo não quer pagar indenização a Deltan Dallagnol por críticas de Gilmar

A Justiça Federal de Curitiba determinou o pagamento de R$ 59 mil a título de reparação pelos danos morais

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
11 de agosto de 2020 às 10:43
O procurador da República Deltan Dallagnol
Foto: José Cruz/Agência Brasil (10.dez.2019)

A Advocacia Geral da União (AGU) informou à CNN, nesta manhã, que vai recorrer para não pagar indenização ao chefe da Lava Jato, Deltan Dallagnol, por causa de críticas do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal.

A Justiça Federal de Curitiba determinou o pagamento de R$ 59 mil a título de reparação pelos danos morais. A defesa do procurador disse que ele tem planos de doar esse valor. Mas diante do recurso da AGU, o caso não acaba agora.

Leia mais:
Por direito de defesa, Deltan pede que Supremo interrompa processo no CNMP

Dallagnol processou a União porque afirma ter sido ofendido pelo ministro, e que Mendes falou na condição de funcionário público federal.

Na ação, a defesa de Deltan elencou várias declarações feitas pelo ministro do Supremo nos últimos anos. Mendes já afirmou que os procuradores deveriam "simplesmente dizer: nós erramos, fomos de fato crápulas, cometemos crimes". Em outra situação, o ministro classificou a Lava Jato de "organização criminosa". 

Para o juiz federal Flávio Antônio da Cruz, da 11* vara federal, que deu o direito de indenização a Dellagnol, "não se pode confundir a crítica democrática à atividade do órgão público com a crítica pessoal, endereçada aos sujeitos, por meio de impropérios, insinuações ou aleivosias".