Marco Aurélio não homologa acordo de Onyx para encerrar investigação de caixa 2

Ministro do STF entendeu que, como já havia declinado para primeira instância, não caberia a ele, Marco Aurélio, homologar

Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília
10 de agosto de 2020 às 22:22
O ministro da Cidadania Onyx Lorenzoni durante entrevista coletiva em Brasília
Foto: Júlio Nascimento/PR (7.mai.2020)

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, disse nesta segunda-feira (10) que não é da competência do STF validar o acordo para encerrar a investigação de caixa dois contra o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni (DEM-RS). Na prática, o ministro não homologou o acordo de não-persecução penal. 

O ministro do STF entendeu que, como já havia declinado para primeira instância, apesar de o caso ainda estar no Supremo por pendência de recurso, não caberia a ele, Marco Aurélio, homologar. 

“Descabe acolher o requerido pelo Procurador-Geral da República, no que a homologação do acordo de não persecução pressupõe atuação de Órgão judicante competente. Há de aguardar-se a conclusão do julgamento do agravo. Até aqui, prevalece a decisão mediante a qual assentada a incompetência do Supremo", disse.

Leia também:

Onyx Lorenzoni admite caixa dois, fecha acordo e se livra de julgamento

Onyx tenta acordo com a PGR para não ser denunciado por 'caixa 2' e limpar ficha

Na semana passada, a defesa de Onyx divulgou uma nota na qual informou que fechou um acordo com a PGR para encerrar a investigação sobre caixa dois nas campanhas eleitorais de 2012 e 2014. O ministro admitiu o recebimento de recursos pela J&F não declarados à Justiça Eleitoral e acertou o pagamento de R$ 189 mil em compensação.

Em nota, a PGR afirmou que entende que, enquanto o processo está no STF, é ali que se deve homologar o acordo. “Enquanto o caso não se encerra no Supremo Tribunal Federal, tendo recursos pendentes de decisão do colegiado, ele permanece na Corte e é ali que se entrega o acordo de não persecução penal, no entendimento da PGR." 

Segundo a PGR, o procurador-geral da República entende que, à semelhança do que ocorre com os arquivamentos, pedidos de homologação de acordos de não persecução penal em expediente pré-processual têm natureza de acertamento judicial.

“O precedente do primeiro acordo firmado pela PGR será importante para demonstrar a prioridade que o novo sistema processual dará às soluções negociais penais e à diminuição do tempo de tramitação judiciária de lides penais, encurtando-se o tempo necessário para se chegar a uma assunção de culpa e ao pagamento de sanção objetivamente fixada”, disse a PGR em nota.