Gilmar pede manifestação do STJ para decidir sobre prisão domiciliar de Queiroz


Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília
13 de agosto de 2020 às 16:10 | Atualizado 13 de agosto de 2020 às 17:16

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu nesta quinta-feira (13) informações ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) antes de decidir sobre a derrubada da prisão domiciliar de Fabrício Queiroz.  

"Solicitem-se informações ao Superior Tribunal de Justiça, à Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e ao Juízo da 27ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, acerca do alegado na inicial", escreveu o magistrado em despacho assinado na quarta (12).

Na segunda-feira, a defesa do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz apresentou um habeas corpus à Corte. A defesa pede que o STF revogue a prisão preventiva decretada pela Justiça do Rio – atualmente ele e a mulher estão em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica. 

Assista e leia também:

Gilmar Mendes será o relator de pedido de liberdade de Fabrício Queiroz
Fabrício Queiroz pede autorização à Justiça para fazer cirurgia
Michelle Bolsonaro recebeu ao menos R$ 72 mil de Queiroz entre 2011 e 2016

Fabrício Queiroz na sacada de apartamento onde cumpre prisão

Fabrício Queiroz na sacada de apartamento onde cumpre prisão domiciliar, no Rio de Janeiro

Foto: CNN (13.jul.2020)

Na ação, a defesa afirmou que o decreto prisional se pautou por fatos pretéritos. “Além disso, a pertinência dos fatos descritos na decisão carecem de fundamentação e não observados os requisitos inerentes a aplicação da medida cautelar gravosa, sendo embasada apenas em fatos longínquos e pretéritos, esquivando-se do verdadeiro caráter emergencial da prisão preventiva”, disse a defesa. 

Em 9 de julho deste ano, no recesso do STJ, quando cabe ao presidente da Corte tomar as decisões urgentes, João Otávio de Noronha permitiu que Queiroz e a mulher dele, Márcia Aguiar, ficassem em casa com tornozeleira eletrônica. Até então Queiroz estava preso, e Márcia foragida.

Queiroz foi preso no dia 18 de junho em Atibaia, no interior de São Paulo. O mandado de prisão foi expedido pela Justiça do Rio de Janeiro.