Processos contra Deltan têm 'objetivos políticos', diz ex-procurador

Carlos Fernando dos Santos Lima disse que há "uma frente unida contra a Lava Jato" que agregaria diversas tendências políticas

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
17 de agosto de 2020 às 23:08

O ex-procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, que atuou na força-tarefa da Operação Lava Jato, afirmou nesta segunda-feira (17) que as representações contra o procurador Deltan Dallagnol possuem caráter político.

"Estão querendo imputar a Deltan atividade político-partidária, quando o que estamos vendo, na verdade, é uma punição contra Deltan Dallagnol com objetivos políticos. Tudo o que está acontecendo agora é política", disse o ex-procurador, em entrevista ao âncora William Waack.

Deltan Dallagnol é alvo de representações no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) que o acusam de atuar de forma política no contexto da operação. 

Santos Lima disse que há "uma frente unida contra a Lava Jato" que agregaria diversas tendências políticas e envolveria o governo federal e a Procuradoria-Geral da República (PGR). Para o ex-procurador, uma eventual punição representaria um ataque à independência do Ministério Público.

Assista e leia também:

Celso de Mello suspende processos contra Deltan no CNMP

Lava Jato em Curitiba diz que compartilhar dados com PGR seria 'abuso'

"A abertura de um procedimento contra Dallagnol, principalmente uma remoção cautelar agora, mostraria para a população que o Ministério Público de 1988, aquele Ministério Público da Constituição federal, está sendo atacado", afirmou.

O CNMP começaria a julgar nesta terça-feira (18) representações contra Deltan apresentadas pelos senadores Kátia Abreu (PP-TO) e Renan Calheiros (MDB-AL), mas a análise das acusações foi suspensa por decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF).