Câmara aprova projeto que muda lei de recuperação judicial

Devedor em recuperação judicial poderá fazer contratos de financiamento, inclusive com seus bens pessoais em garantia, para tentar salvar a empresa da falência

Larissa Rodrigues e Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília
26 de agosto de 2020 às 21:36

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (26), o projeto de lei que reforma a Lei de Recuperação Judicial e Falências. O texto segue agora para o Senado. Na prática, haverá a possibilidade de financiamento na fase de recuperação judicial, o parcelamento de dívidas tributárias federais e a apresentação de plano de recuperação por credores. 

O texto é visto pela equipe econômica como uma possibilidade de acelerar a retomada econômica, que vem sendo discutido desde o ano passado e conta com apoio de juristas, advogados e sociedade civil.  A expectativa é que a matéria também seja aprovada no Senado com facilidade. 

Se autorizado pelo juiz, o devedor em recuperação judicial poderá fazer contratos de financiamento, inclusive com seus bens pessoais em garantia, para tentar salvar a empresa da falência. Se a falência for decretada antes da liberação de todo o dinheiro do financiamento, o contrato será rescindido sem multas ou encargos.

Leia também:

Por retomada, pedidos de falência têm queda de 12,6% em julho

Covid-19 faz pedido de recuperação judicial aumentar entre empresas; entenda como funciona

Câmara aprova novas regras para recuperações judiciais e falências

O novo texto da Lei de Falências estabelece um elenco de opções que poderão ser consideradas para a elaboração do plano de recuperação judicial. 

Dentre elas, constam a concessão de prazos e condições especiais para pagamento das obrigações; a cisão, incorporação, fusão e transformação de sociedade, constituição de subsidiária integral ou cessão de suas cotas ou ações; a substituição total ou parcial dos administradores; o aumento de capital social; o arrendamento, de preferência às sociedades cooperativas formadas por empregados da própria empresa; a celebração de acordo coletivo de trabalho, inclusive para reduzir salários e aumentar ou reduzir a carga horária dos trabalhadores; a venda parcial dos bens; a constituição de sociedade de credores; e a administração compartilhada.

Pela nova regra, empresas em recuperação judicial também poderão negociar e quitar débitos com a União em até dez anos. Além disso, o texto permite ao governo perdoar até 70% dos débitos que têm a receber de empresas em recuperação judicial. 

Negociações anteriores

Outra novidade do projeto é a permissão de negociações anteriores ao processo de recuperação judicial, inclusive com suspensão, por 60 dias, das execuções de títulos de crédito contra o devedor.

Essas negociações poderão ser entre sócios da empresa em dificuldades, nos conflitos envolvendo concessionárias ou permissionárias de serviços públicos em recuperação judicial e os órgãos reguladores.

Em períodos de calamidade pública, como no caso da Covid-19, o texto permite essa negociação antecipada para garantir a prestação de serviços essenciais se relativa a créditos que não entrarão na disputa com os demais credores, os créditos extraconcursais.