Tribunal forma maioria para absolver Temer por 'tem que manter isso, viu?'

A declaração foi dita em encontro de Temer com o empresário Joesley Batista no Palácio do Jaburu, em 2017

Estadão Conteúdo
26 de agosto de 2020 às 23:00
O ex-presidente Michel Temer
Foto: Marcos Correa/PR

A Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) formou maioria nessa terça-feira (25), para absolver o ex-presidente Michel Temer (MDB) do crime de obstrução de Justiça no episódio que ficou conhecido pela frase 'tem que manter isso, viu?'.

A declaração foi dita em encontro de Temer com o empresário Joesley Batista no Palácio do Jaburu, em 2017.

Leia também:

Gilmar amplia liminar de Toffoli e suspende ação penal contra Serra na Lava Jato

Michel Temer aceita convite de Bolsonaro para ser enviado especial ao Líbano

O julgamento ainda não foi concluído e aguarda voto da desembargadora Monica Sifuentes, que pediu vista (mais tempo para analisar o caso). Ela é a última a votar, mas o placar já conta com os votos dos desembargadores Ney Bello e Maria do Carmo Cardoso para absolver Temer.

O recurso foi apresentado pelo Ministério Público Federal contra decisão do juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, que em outubro do ano passado absolveu Temer de obstrução de Justiça por considerar a acusação 'frágil' e que 'não suporta sequer o peso da justa causa para a inauguração de instrução criminal'.

A denúncia contra Temer foi apresentada em 2017 pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot. Ela foi embasada em uma conversa gravada entre Joesley e o então presidente em que, este dizia 'tem que manter isso, viu?'.

Segundo a PGR, a fala era uma tentativa de silenciar o operador Lúcio Funaro e o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ), presos pela Lava Jato.

Temer sempre negou as acusações. Quando deixou o cargo e perdeu o foro privilegiado, em janeiro do ano passado, o processo deixou o Supremo Tribunal Federal e correu na primeira instância da Justiça.

Até a publicação desta matéria, a reportagem não havia obtido contato com a defesa do ex-presidente Michel Temer.