Alessandro Molon e Luiz Lima comentam caso Witzel

Em entrevista para a CNN, os parlamentares, de espectros políticos opostos, mostraram decepção com Wilson Witzel diante das acusações

Da CNN, em São Paulo
28 de agosto de 2020 às 15:45

No dia marcado pela decisão do Supremo Tribunal de Justiça de afastar o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), por denúncias de fraudes em contratos da Secretaria Estadual de Saúde, a CNN falou com os deputados federais Alessandro Molon (PSB-RJ) e Luiz Lima (PSL-RJ) sobre o caso. Em comum, os dois mostraram incredulidade com o ocorrido.

Luiz Lima, que apoiou e votou em Witzel nas eleições de 2018, disse que, logo após assumir o estado, o governador mostrou que “sua prioridade não era a tecnicidade.”

“Quando surgiu a possibilidade de nós escolhermos um candidato que fugia à regra, depositamos a nossa confiança [em Witzel]. Porém no dia 22 de dezembro de 2018, fiz uma publicação incrédulo com a nomeação de diversos secretários ligados a núcleos políticos que nós repudiamos durante a campanha dele. Antes dele tomar posse, eu já tinha rompido com ele.”

Leia também

Witzel diz que não tem 'um papel' de prova contra ele e ataca subprocuradora

PF apreende 'dossiê Lava Jato' e menção a pasta anti-crime em gabinete de Witzel

A aliados, vice-governador do Rio promete deixar PSC e buscar apoio de Bolsonaro

Deputados Federais Alessandro Molon (PSB-RJ) e Luiz Lima (PSL-RJ) comentam o afastamento do governo do Rio de Janeiro Wilson Witzel (28.ago.2020)
Foto: CNN Brasil

Já Alessandro Molon, entre outros apontamentos, se mostrou indignado porque, segundo ele, além do governador ter praticado atos de corrupção, desviou dinheiro da saúde durante uma pandemia mundial.

Molon ressaltou também a importância de os eleitores pesquisarem os candidatos antes da votação e rechaçou a noção de que pessoas de fora da política, necessariamente, se tornem bons políticos.

“Estamos vendo que essa ideia de apoiar pessoas de fora da política, lamentavelmente não é garantia de nada. Todas as instituições tem bons e maus representantes, então o eleitor precisa acompanhar mais a vida dos candidatos antes de votar.”

 

(Edição: Sinara Peixoto)