Rose de Freitas deixa Podemos após propor PEC por reeleição no Congresso

Parlamentar disse que o partido estava tentando censurá-la

Larissa Rodrigues Da CNN, em Brasília
09 de setembro de 2020 às 18:26
A senadora Rose de Freitas
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

 

Após apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição que visa permitir a reeleição do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e que, se aprovada, permitirá a Rodrigo Maia (DEM-RJ) também continuar na presidência da Câmara, a senadora Rose de Freitas (ES) anunciou, no início da sessão do Senado desta quarta-feira (9/9), que irá deixar o Podemos. 

No último fim de semana, o Podemos já havia afastado a parlamentar por 60 dias, em caráter cautelar, até a conclusão do processo ético-disciplinar instaurado após Rose de Freitas apresentar a PEC. Durante sua fala na sessão, Rose disse que o partido estava tentando censurá-la. 

Leia e assista também

Maia já admite disputar reeleição na Câmara se for candidato de consenso

Senado defende ao STF reeleição de Maia e Alcolumbre por 'analogia' ao Planalto

Alcolumbre e Maia debateram reeleição com Moraes em SP durante sessão dos vetos

“Não posso aceitar, eu fiz meu dever de casa, cumpri meu dever como mulher, mãe e política. Não posso aceitar que depois da abertura democrática que alguém venha me dar um castigo como se eu fosse uma adolescente na escola. Não tive nenhuma conversa com o Davi Alcolumbre sobre isso (a PEC). Estou aqui para dizer que não aceito nenhum sinal de autoritarismo e quero comunicar que estou me desfiliando no Podemos. Quero ter oportunidade de repensar e ver para qual partido eu vou”, afirmou.

Segundo a Constituição Federal, é proibido a recondução de um parlamentar para o mesmo cargo da Mesa Diretora da Câmara e do Senado na mesma legislatura. Enquanto isso, o Supremo Tribunal Federal (STF) discute uma ação sobre a possibilidade de reeleição de Maia e Alcolumbre.

A PEC que visa mudar a constituição, já recebeu, segundo o Senado, o apoio de 29 outros senadores, três a mais do que o necessário para ser protocolado na Mesa da Casa. Entre os signatários estão os líderes do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), e no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO). Além disso, a PEC conta com o apoio de três senadores que compõem a atual Mesa Diretora do Senado: o 1º vice-presidente, Antonio Anastasia (PSD-MG), o 2º suplente, Weverton (PDT-MA) e Eduardo Gomes, que é 2º secretário.