PSB replica aliança com PDT no Rio e fundador da Cufa será vice de Martha Rocha

Os dois partidos já haviam fechado aliança também em São Paulo e no Recife

Stéfano Salles, da CNN, no Rio de Janeiro
16 de setembro de 2020 às 23:15
O cineasta Anderson Quack (PSB), fundador da Central Única das Favelas (Cufa) e candidato a vice-prefeito do Rio
Foto: Anderson Quack/Divulgação

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) fechou aliança com o PDT no Rio de Janeiro e indicou o cineasta Anderson Quack para concorrer a vice-prefeito na chapa da delegada aposentada e deputada estadual Martha Rocha (PDT).

Os dois partidos já haviam fechado aliança também em São Paulo, quando, no sentido oposto, o PDT escolheu o sindicalista Antonio Neto para compor a chapa liderada pelo ex-governador Márcio França (PSB) como candidato a prefeito.

Outro acerto foi no Recife, onde o PDT retirou a candidatura do deputado Túlio Gadêlha para endossar João Campos (PSB).

Durante a convenção do PDT paulistano, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, falou que a aliança refletia a coligação que o seu partido esperava ver nas eleições de 2022.

Assista e leia também:

De olho em 2022, PDT de Ciro anuncia apoio a Márcio França em SP

Aliança em Salvador é início de namoro entre DEM e PDT, diz ACM Neto

"Essa união é apenas um prenúncio da formação da esquerda democrática e dos trabalhistas para um projeto nacional de desenvolvimento do nosso país", disse.

Anderson Quack

Anderson Quack é cineasta, professor do curso de Cinema da PUC-Rio. É nascido e criado na Cidade de Deus, comunidade da Zona Oeste. Foi um dos fundadores da Centra Única das Favelas (Cufa), onde chegou a ser secretário-geral. 

O candidato foi também diretor do Departamento de Fomento e Promoção da Cultura Afro-Brasileira na Fundação Cultural Palmares. É autor de livros e diretor de produções audiovisuais, programas de televisão, como o Espelho, do Canal Brasil, apresentado por Lázaro Ramos. 

O socialista dirigiu ainda o longa-metragem Remoção, que conta as histórias dos deslocamentos de famílias que viviam em comunidades nos aos 1960 e 1970. É autor de livros. Em 2018, foi candidato a deputado federal pelo PSOL, mas recebeu apenas 2.548 votos e não foi eleito.