Irmão de Abraham Weintraub é exonerado do Planalto para assumir cargo na OEA

Informação foi antecipada pela CNN. Na última semana, Arthur Weintraub postou um vídeo ao lado de Bolsonaro, dizendo que saída do governo seria um 'até breve'

Diego Freire, da CNN, em São Paulo
22 de setembro de 2020 às 01:50 | Atualizado 22 de setembro de 2020 às 05:17
Arthur Weintraub
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Em portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (22), ficou oficializada a exoneração, a pedido, de Arthur Weintraub, irmão do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, do cargo de assessor especial da Presidência da República. Conforme antecipado em julho pelo colunista de política da CNN Igor Gadelha, Arthur deixa o governo para assumir um posto na Organização dos Estados Americanos (OEA).

Segundo a colunista de política da CNN Renata Agostini, desde que o ex-ministro da Educação deixou o governo para ser diretor do Banco Mundial nos Estados Unidos, havia o plano de enviar seu irmão para um cargo no país. De acordo com um auxiliar presidencial, já não havia "clima" para que Arthur seguisse no Palácio do Planalto, sobretudo em vista dos atritos que ele teve com a equipe jurídica.

Leia também:
Weintraub é confirmado como diretor no Banco Mundial

Abraham Weintraub recebe título de persona non grata em Brasília

Foi então encontrada a solução de enviá-lo para ocupar o posto de assessor numa subsecretaria da OEA. A indicação demorou um pouco para sair porque foi preciso tirar um brasileiro que estava no cargo para abrigar Arthur.

Abraham e Arthur são muito próximos, ambos lecionavam na Unifesp e aderiram juntos à campanha de Bolsonaro em 2018. Segundo os analistas da CNN, Arthur, apontado como um dos principais responsáveis por incentivar a radicalização do discurso do presidente, vinha sendo alvo de críticas da ala militar do governo. 

Na última terça-feira (15), Arthur Weintraub postou um vídeo em suas redes sociais ao lado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) confirmando que irá para a OEA assumir um cargo "na área do direito". Sobre Bolsonaro, Arthur escreveu: "ao melhor presidente, um até breve. Não é um adeus".

Nos dias seguintes, Arthur afirmou em suas redes sociais que já está trabalhando nos Estados Unidos.