MPF cita ida de Flávio a programa de TV para pedir denúncia por desobediência

Filho do presidente Jair Bolsonaro faltou a uma audiência de acareação marcada pelo Ministério Público Federal (MPF) na segunda

Leandro Resende
Por Leandro Resende, CNN  
22 de setembro de 2020 às 18:52 | Atualizado 23 de setembro de 2020 às 09:16

Em documento enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR) para pedir que o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) seja denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por desobediência, o Ministério Público Federal cita a ida do parlamentar a um programa de TV no Amazonas.

O filho do presidente Jair Bolsonaro faltou a uma audiência de acareação marcada pelo Ministério Público Federal (MPF) ontem, no âmbito de uma investigação que apura suspeita de vazamento da Operação Furna da Onça em 2018 para beneficiar o senador. Aras terá que decidir se denuncia Flávio após receber representação do MPF, que apura o caso no Rio. 

Leia também:

Aras decidirá se denuncia Flávio Bolsonaro ao STF por não comparecer a acareação

Após ausência, defesa de Flávio Bolsonaro sugere acareação em outubro

Na representação, o MPF afirma que houve “inequívoco e predeterminado dolo” de Flávio ao se ausentar da audiência de acareação apesar desta estar marcada com “razoável antecedência”. O texto traz, na sequência, a informação de que o senador faltou ao encontro com Paulo Marinho para participar de um programa de TV no Amazonas. 

A peça enviada pelo MPF também afirma que Flávio comete “flagrante desrespeito institucional” ao “convidar” os investigadores para presidirem a acareação com Paulo Marinho em seu gabinete, no dia 05 de outubro. “Não se trata de um ato cerimonial ou de solenidade pública. O MPF, no caso, maxima venia, não tem que ser convidado, muito menos ser colocado na posição de "recusar" o dito “convite”. 

Em nota, a defesa do senador Flávio Bolsonaro afirma que o crime de desobediência, mencionado pelo MPF, é uma possibilidade “lamentável sob vários aspectos. Nem o Procurador da República poderia dar ordem ao Senador e nem essa “ordem” seria legal, pelo que constituiria uma impropriedade técnica com poucos precedentes na história do Judiciário Fluminense".