Ernesto Araújo: discurso de Bolsonaro reafirmou liberdade

Ernesto Araújo classificou o Brasil como “herói da segurança alimentar do planeta” e elogiou o agronegócio do país

Da CNN, em São Paulo
22 de setembro de 2020 às 22:00 | Atualizado 22 de setembro de 2020 às 22:00

O Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse em entrevista à CNN, na noite desta terça-feira (22), que o discurso de Jair Bolsonaro, na Assembleia Geral das Nações Unidas, reafirma seu desejo por liberdade.

“Presidente fez um discurso relevante, com conceitos, como a liberdade. Liberdade e democracia estão na essência das Nações Unidas, presidente tentou recuperar isto.”

Questionado se Bolsonaro estava “na defensiva”, Araújo rechaçou a ideia e disse que o objetivo era “colocar fatos”, já que, segundo o ministro no Brasil há formulações de ideias baseadas em “fatos equivocados.”

Leia também

Mourão evita comentar fala de Bolsonaro que atribuiu queimadas a indígenas

'Longe da realidade', diz ex-presidente do Ibama sobre discurso de Bolsonaro

Bolsonaro 'desfez mitos' sobre Brasil em discurso, diz novo embaixador nos EUA

Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores
Foto: CNN (22.set.2020)

Sobre o meio ambiente brasileiro, Araújo classificou o país como “herói da segurança alimentar do planeta” e elogiou o agronegócio.

“Queremos defender de nosso agronegócio. Muitas pessoas que atacam o agro brasileiro precisam pensar melhor. O Brasil é um dos principais heróis da segurança alimentar no mundo e estamos dispostos a dar todas as informações sobre nosso meio ambiente.”

Liberdade religiosa

Ao falar sobre o uso do termo “cristofobia”, usado por Bolsonaro no discurso, Araújo foi questionado se a fala do presidente não deixou de lado brasileiros de outras religiões.

“O presidente não deixou de olhar para outras religiões, ele defende a liberdade religiosa para todos. Porém, em nosso caso vivemos em um país cristão, então sentimos a responsabilidade de chamar a atenção contra a intolerância religiosa. Não excluímos ninguém, mas queremos recuperar a identidade nacional, não queremos ser um país genérico.”

Audiência no Senado

O ministro foi convidado pelo Senado Federal para prestar explicações sobre a visita do secretário de Estados dos Estados Unidos, Mike Pompeo a Operação Acolhida, que recebe imigrantes vindos da Venezuela.

Araújo disse não ter entendido o convite e afirmou que vai aproveitar a oportunidade para explicar a relações entre Brasil e Estados Unidos.

“Será uma ótima oportunidade para expor temas da reunião com Mike Pompeo, assim como o conjunto de nossa relação com os Estados Unidos. Estamos trabalhando com os EUA para a Venezuela e para o bem de nossa região.”

(Edição: Sinara Peixoto)