Presidente do TSE pede cuidado com Covid-19 e fake news nas Eleições 2020

Luís Roberto Barroso falou em rede nacional na noite deste sábado (26); campanha das eleições municipais começa no domingo

Juliana Elias, da CNN Brasil, em São Paulo
26 de setembro de 2020 às 21:09 | Atualizado 26 de setembro de 2020 às 21:20

Às vésperas do início da campanha eleitoral das eleições municipais de 2020, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, falou em cadeia nacional para reforçar aos eleitores a necessidade de medidas de proteção contra a transmissão de coronavírus durante os dias de votação. 

Uso de máscara e distanciamento mínimo foram algumas das medidas mencionadas por Barroso, que também é ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele também indicou que a distribuição de impressos, como "santinhos", deve ser evitada, já que os papéis podem ser fonte de carregamento e transmissão do vírus. 

Leia também: 

Eleições 2020 recebem mais de 540 mil candidatos e batem recorde

Barroso mencionou ainda as notícias falsas como “outro vírus que ronda as eleições” e que ameaça a democracia brasileira, e pediu atenção e respeito na divulgação de informações e nos debates. 

O ministro falou na noite deste sábado (26) em pronunciamento de três minutos veiculado em rádio e televisão. A campanha eleitoral tem início neste domingo (27), e o primeiro turno das eleições, adiado por conta da pandemia de coronavírus, será em 15 de novembro. 

“A pandemia da Covid-19 impõe cuidados na campanha que se inicia, para proteção de eleitores e de candidatos”, disse Barroso. 

“O TSE ouviu alguns dos maiores especialistas médicos do país. A principal forma de transmissão da doença ocorre quando a pessoa fala ou respira próxima de outra pessoa. Por essa razão, recomendações importantes são: evitar aglomerações, manter distância mínima de uma metro das outras pessoas e sempre utilizar máscaras.”

Barroso também disse que “reuniões deve ser feitas em lugares abertos e deve-se evitar a distribuição de impressos”. Ele também reforçou as recomendações de lavar as mãos ou utilizar álcool em gel sempre que possível, após contato com objetos ou outras pessoas.

Fake news

O ministro também criticou o avanço das fake news no debate político - “um outro vírus capaz de comprometer não a saúde pública, mas a própria democracia”, de acordo com ele. 

“Uma causa que precise de mentiras, de ódio ou de agressões não pode ser boa. Pense nisso. Não faça aos outros o que não gostaria que fizessem com você”, disse. “Vamos fazer um debate público de qualidade, franco e robusto, mas com respeito às pessoas e a suas ideias, mesmo que diferentes.”