Em jantar com Guedes, Maia pede desculpas e é aplaudido

Maia defendeu a âncora fiscal e falou que não vai ter que cortar só gordura, terá que cortar no músculo

Raquel Landim
Basília Rodrigues
05 de outubro de 2020 às 22:39 | Atualizado 05 de outubro de 2020 às 22:43

No maior clima paz e amor, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pediu desculpas ao ministro da Economia, Paulo Guedes, pelos embates dos últimos tempos, o que levantou aplausos dos convidados no jantar marcado nesta noite para selar uma reconstrução de pontes.

Maia defendeu a âncora fiscal e falou que não vai ter que cortar só gordura, terá que cortar no músculo. Palavras que facilmente poderiam ser ditas por Guedes, mas foram verbalizadas pelo seu ex-desafeto.

Assista e leia também:

Maia, Alcolumbre e Guedes defendem juntos agenda de retomada econômica

Disputa pela eleição na Câmara e crise no Centrão atrasam Comissão de Orçamento

'Desentendimento natural', diz Bolsonaro sobre Paulo Guedes e Rodrigo Maia

Líderes governistas, senadores e ministros do Tribunal de Contas da União participam. O ministro da Secretaria de Governo, Luís Eduardo Ramos, foi convidado também. Houve uma rodada de falas. O senador Renan Calheiros, que tem figurado como principal bombeiro, abriu os discursos e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, fechou. Depois falou Maia e fechou Guedes.

Aos presentes no jantar protagonizado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, os dois começaram a escrever uma nova história: após xingamentos, veto a encontros e mensagens desastrosas.

Em seguida, saíram para dar uma declaração à imprensa e retornaram para o jantar. Como fim da fase dos discursos, começaram a comer quando já passava das 22h.

No cardápio, guisado de bode - uma iguaria do sertão da Bahia. O ministro do TCU Bruno Dantas, o anfitrião do jantar, é baiano.

Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, se reuniu com o ministro da Economi
Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes, na noite desta segunda-feira (5)
Foto: CNN (05.out.2020)