MP denuncia homens que filmaram mulheres praticando ioga no Rio

A dupla é acusada de gravar imagens de duas amigas enquanto elas faziam ioga com acrobacias, na Lagoa Rodrigo de Freitas

Isabelle Saleme e Pauline Almeida, da CNN, no Rio de Janeiro
14 de outubro de 2020 às 10:44 | Atualizado 14 de outubro de 2020 às 10:50

O Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ) denunciou o empresário Ricardo Machado de Sá Roriz e o ambulante Celso Lins Bastos pelos crimes de perturbação da tranquilidade, por terem importunado as duas vítimas, e por ato obsceno, por causa dos gestos de cunho sexual que foram realizados. O processo corre na 33ª Vara Criminal.

Leia e assista também:
É grotesco, misógino e cruel, diz advogada filmada praticando ioga no Rio
Preconceito e machismo travam desenvolvimento do futebol feminino, diz Marta
Jairzinho, ex-Botafogo, faz comentário machista e manda auxiliar 'lavar roupa'

Mariana durante a prática de ioga no Rio de Janeiro
Foto: CNN (04.ago.2020)

A dupla é acusada de gravar imagens de duas amigas enquanto elas faziam ioga com acrobacias, na Lagoa Rodrigo de Freitas, zona sul do Rio de Janeiro. No local, é comum a prática de atividades físicas ao ar livre.

As cenas foram registradas em agosto e causaram polêmica nas redes sociais. No vídeo, os homens chegam a aproximar a imagem com o celular para mostrar o momento em que uma das mulheres tenta ficar de ponta-cabeça.

Uma das vítimas é a advogada e professora de direito empresarial Mariana Maduro. Em entrevista à CNN na época, ela contou que descobriu que vídeos com sua imagem e de uma amiga estavam circulando na internet por meio de mensagens enviadas por seguidores, que viram a gravação e a alertaram.

“É muito triste que a minha prática de ioga tenha sido sexualizada da forma mais banal e cruel. É grotesco, misógino e cruel”, falou na ocasião.