Bretas adia depoimento de Sérgio Cabral e Orlando Diniz 

A decisão de Bretas seguiu pedido da defesa dos réus, após o Ministério Público Federal informar que um dos anexos da delaçãonão havia sido disponibilizado

Leandro Resende
Por Leandro Resende, CNN  
26 de outubro de 2020 às 17:19
O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil (30.nov.2010)

Os depoimentos do ex-governador Sérgio Cabral e do ex-presidente da Fecomércio Orlando Diniz foram adiados por decisão do juiz federal Marcelo Bretas, da 7a Vara Federal Criminal, e responsável pela Operação Lava Jato no Rio.

Eles falariam nesta segunda-feira no processo da Operação Jabuti, que prendeu Diniz em 2018 e apura desvios no Sistema S no Rio. 

Leia também

RJ: Milícia cria associação de moradores e avança sobre prefeituras, diz estudo

O controle das milícias sobre o Rio de Janeiro e as eleições

A decisão de Bretas seguiu pedido da defesa dos réus, após o Ministério Público Federal informar, na audiência, que um dos anexos da delação de Orlando Diniz não havia sido disponibilizado às defesas. A audiência será ainda não tem data para ser remarcada Cabral e Diniz são delatores.

O ex-governador fechou acordo com a Polícia Federal, homologado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin.

No começo deste mês, a CNN mostrou que a defesa do político entrou com um recurso no STF para tentar fazer o plenário da Corte votar o arquivamento dos inquéritos abertos com base nas informações que prestou à Justiça. 

Preso pela Operação Jabuti, sobre a qual deporia hoje, Orlando Diniz fechou delação premiada com o Ministério Público Federal, homologada pelo juiz Marcelo Bretas.

Com base nela foi deflagrada a Operação E$quema S, outro desdobramento da Lava Jato no Rio que mirou diversos escritórios de advocacia.