Conexão CNN: De forma discreta, Bolsonaro entra em disputas municipais

Em sua transmissão semanal pelo Facebook, presidente declarou apoio a Celso Russomanno, Marcelo Crivella, Bruno Engler, Coronel Menezes e Ivan Sartori

Da CNN
30 de outubro de 2020 às 10:29

No quadro Conexão CNN desta sexta-feira (30), na CNN Rádio, Leandro Resende e Iuri Pitta falam sobre a entrada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na disputa municipal ao declarar apoio a candidatos à prefeitura de cinco cidades.

Em sua transmissão semanal pelo Facebook, o presidente disse apoiar Celso Russomanno, em São Paulo, Marcelo Crivella, no Rio de Janeiro, Bruno Engler, em Belo Horizonte, Coronel Menezes, em Manaus, e Ivan Sartori, em Santos.

“Olha como é a política. Quatro anos atrás, Crivella era eleito prefeito do Rio de Janeiro e surpreendeu a chegada na festa da vitória do então deputado federal Jair Bolsonaro. O tempo passa, Bolsonaro se torna presidente e, agora, ele é a principal esperança de Marcelo Crivella para ir ao segundo turno”, disse Resende.

Assista e leia também:
Bolsonaro já revê participação em eleições municipais
Datafolha no Rio: Paes tem 28%; Crivella e Martha Rocha, 13%; Benedita, 10%
RealTime Big Data: Russomanno (25%) e Covas (24%) estão empatados em SP

O jornalista destacou que o atual prefeito está empatado matematicamente com Martha Rocha (PDT) e corre risco de não ir, sequer, para o segundo turno.

“O vídeo de Bolsonaro para Crivella tem dois pontos principais: primeiro, uma mudança de postura do presidente, que tinha dito que não entraria na corrida eleitoral no primeiro turno. Além disso, tem o apoio constrangido a Crivella”, completou.

Pitta destacou que é incomum um presidente da República se abster das disputas municipais. Ele disse ainda que o caso de Bolsonaro tem uma característica única, pelo menos no período após a Constituição de 1988: o presidente não está filiado a um partido no momento da disputa das prefeituras.

“Vale lembrar: o presidente Jair Bolsonaro se desfiliou do PSL ainda no primeiro ano de mandato e não conseguiu formar um partido para chamar de seu, que era o Aliança pelo Brasil. Com isso criou essa situação em que ele pode escolher quem apoiar”, disse.

Pitta disse que, ao apoiar Russumanno, Bolsonaro está, também preocupado em marcar território contra o campo do PSDB, representado pelo atual prefeito paulista, Bruno Covas.

“[Covas] é apoiado, ainda que discretamente, pelo governador João Doria (PSDB), visto hoje como um dos potenciais adversário do presidente Jair Bolsonaro em 2022” completou.