STJ anuncia retomada de sistemas, mas sem sessões por videoconferência

Tribunal foi alvo de ataque hacker na última terça-feira (3)

Gabriela Coelho, da CNN em Brasília
10 de novembro de 2020 às 18:31
Sede do Superior Tribunal de Justiça (STJ)
Foto: Reprodução/Flickr

Após ataque cibernético aos sistemas, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) comunicou nesta terça-feira (10) que os principais sistemas da rede de tecnologia da informação do tribunal foram restaurados – o que possibilitou, a retomada dos trabalhos relacionados à análise e ao julgamento de processos. 

Entretanto, por decisão dos presidentes de colegiados, optou-se por não realizar ainda, nesta semana, as sessões por videoconferência; já as sessões virtuais foram retomadas e estão em andamento. Desde o dia do ataque, o STJ estima que 12 mil processos deixaram ser julgados.

Leia também:

Após ataque hacker ao STJ, Fux anuncia criação de comitê cibernético

Os sistemas informatizados do STJ foram invadidos na terça-feira (3) por um hacker. No momento do ataque cibernético, seis turmas do tribunal estavam em sessão por videoconferência.

Todos os ministros, servidores, colaboradores terceirizados e estagiários foram orientados a realizar as trocas das chaves de acesso por senhas fortes e com procedimentos de dupla autenticação, necessários para o uso dos sistemas – o que representa um reforço na segurança das identidades. Com isso, os sistemas e e-mails corporativos estão sendo utilizados com a segurança recomendada.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, anunciou na segunda-feira (9) a criação pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de um comitê cibernético para monitorar e discutir medidas que permitam a segurança dos sistemas eletrônicos dos tribunais.