Paes e Crivella discursam prometendo comparar gestões no segundo turno

Candidatos do DEM e do Republicanos se enfrentam na etapa final da disputa pela Prefeitura do Rio de Janeiro; CNN organiza debate na terça-feira (17)

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
15 de novembro de 2020 às 23:52 | Atualizado 15 de novembro de 2020 às 23:59
Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Crivella (Republicanos)
Foto: CNN Brasil

Candidatos classificados para o segundo turno das eleições do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Crivella (Republicanos) discursaram na noite deste domingo (15) prometendo comparar as gestões que ambos fizeram na administração carioca.

Paes e Crivella participam nesta terça-feira (17) do debate organizado pela CNN entre os candidatos a prefeito do Rio de Janeiro. O encontro acontecerá a partir das 20h e será mediado pela âncora da CNN Carol Nogueira.

Assista e leia também:

Eduardo Paes e Crivella disputarão segundo turno para prefeito do Rio de Janeiro
Não votei no primeiro turno, posso votar no segundo?

Eduardo Paes (DEM)

 

Mais votado na primeira etapa, Eduardo Paes criticou Crivella, a quem chamou de "prefeito despreparado" e propôs comparar a sua gestão, entre 2009 e 2016, com a administração do candidato do Republicanos, que comanda a cidade desde 2017.

"Nesse segundo turno, nós vamos ter que continuar discutindo entre uma administração que tem resultado, onde as pessoas tinham acesso aos serviços [públicos], contra uma administração que todos nós vimos que deixou de prestar esses serviços", disse.

Marcelo Crivella (Republicanos)

 

Marcelo Crivella afirmou que vai trabalhar para demonstrar os resultados da sua gestão como prefeito do Rio de Janeiro e, assim, espera reduzir os altos índices de rejeição que enfrenta. "Com os números que nós temos, nós vamos reverter esses votos", disse Crivella.

Ele criticou Eduardo Paes e afirmou que parte da responsabilidade pelas suas dificuldades na Prefeitura são causadas por problemas de caixa que o adversário teria deixado para que ele administrasse. "As pessoas ainda não notaram que a nossa administração herdou uma dívida gigantesca", argumentou.