Radar Político: Crescimento do Centro marca as eleições municipais

Bom desempenho de partidos como DEM e PSD e performance fraca do PT e de candidatos apoiados por Bolsonaro chamaram a atenção

Luana Franzão* Da CNN, em São Paulo
16 de novembro de 2020 às 15:41 | Atualizado 16 de novembro de 2020 às 15:51

 

No Radar Político, da CNN Rádio, desta segunda-feira (16), Igor Gadelha, Fernando Molica e Caio Junqueira comentam os resultados das eleições muncipais realizadas no domingo (15).

Igor Gadelha destacou o bom desempenho de partidos tradicionais do espectro político conhecido como 'Centrão', como o DEM e o PSD. "No Palácio do Planalto há uma avaliação de que o Centrão está ocupando um vácuo deixado pelos candidatos bolsonaristas. Eles avaliam que o centrão pode ocupar esse espaço porque o Bolsonaro não entrou de cabeça com uma estratégia".

Gadelha, Molica e Junqueira também discutiram o aparente mau desempenho de candidatos apoiados pelo presidente Jair Bolsonaro. Celso Russomanno, em São Paulo, que ficou em quarto lugar, é um dos exemplos mais contundentes. 

Caio Junqueira atribui esse desempenho mais fraco do que o esperado a uma falta de articulação mais precisa do presidente com seus aliados. "A falta de estruturação de uma estratégia e de um partido pode ser uma ameaça ao bolsonarismo: essa ideia do 'vamos que vamos', não vai dar certo", disse em referência ao apoio demonstrado pelo presidente apenas via redes sociais e algumas falas, mas sem uma campanha efetiva.

Leia também:
Seis temas que devem pautar o debate de Covas e Boulos na CNN
Jair Bolsonaro: Temos que ter apuração que não deixe dúvidas
Eleições 2020: Veja quais são as 57 cidades onde haverá 2º turno

Caio Junqueira, Igor Gadelha e Fernando Molica comandam o Radar Político, na Rádio CNN
Foto: CNN Brasil

Ele também lembrou que as eleições municipais não necessariamente representam um reflexo do que acontecerá nas próximas eleições presidenciais. O bom desempenho de partidos de Centro, conquistando um número relevante de prefeituras no país, pode ser um bom sinal para Bolsonaro. O presidente tem se aproximado desse núcleo, que pode se tornar uma potencial base aliada para as eleições em 2022.

Molica destacou também desempenho surpreendente de partidos de esquerda considerados menores, em relação ao desempenho fraco do PT. As porcentagens de Guilherme Boulos (PSOL) em São Paulo, Manuela d'Ávila (PCdoB) em Porto Alegre e Edmilson Rodrigues (PSOL) em Belém colocam em questão a articulação do PT na política nacional, segundo Fernando Molica.

*sob supervisão de Leonardo Lellis