Crivella diz que tônica da campanha no segundo turno será combate à corrupção

Em primeiro evento após primeiro turno, candidato à reeleição no Rio de Janeiro criticou gestão do rival Eduardo Paes

Jairo Nascimento, da CNN no Rio de Janeiro
17 de novembro de 2020 às 15:55 | Atualizado 17 de novembro de 2020 às 16:48

 

Na primeira agenda pública após o 1° turno, o candidato à reeleição no Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), disse nesta terça-feira (17) que sua campanha estará focada no combate à corrupção.

Ele criticou a gestão do rival, Eduardo Paes (DEM) ao dizer que pretende "discutir como tirar da vida pública os governos corruptos". "O governo do Paes foi o mais corrupto, superou o Cabral. Eu sei por que tive acesso às delações". O candidato também afirmou que a direção do Republicanos está conversando com outras legendas em busca de apoio.

Leia também:

Crivella procura PSL em busca de apoio no Rio

Paes e Crivella discursam prometendo comparar gestões no segundo turno

O candidato esteve no Saara, no centro, uma região de comércio popular. Ele se encontrou com apoiadores e deu uma entrevista em uma rádio.

À imprensa, Crivella afirmou que pretende reduzir o IPTU, que recebeu aumento em sua gestão. "Você vai voltar pagar em dois anos o que pagava em 2017. Foi importante para nós, a cidade tava quebrada. O sacrifício desses cariocas merece ser recompensado". Para ele, será necessário um programa de renegociação do imposto para diminuir a inadimplência.

O atual prefeito disse ser favorável à privatização da Cedae, companhia pública de água e esgoto fluminense, mas quer que a empresa pague royalties ao município. Ele criticou as pesquisas que apontam rejeição a sua candidatura.

Crivella não terá mais agenda pública nesta terça-feira e vai trabalhar na prefeitura. Ele recebeu cerca de 21% dos votos na primeira etapa das eleições no Rio e disputa, no próximo dia 29, o cargo de prefeito com Eduardo Paes.