Reformas serão discutidas após eleições municipais, diz líder do governo

Líder do governo na Câmara comenta cenário de votações no Congresso

Da CNN, em São Paulo
17 de novembro de 2020 às 22:53 | Atualizado 17 de novembro de 2020 às 23:08

 

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), disse em entrevista à CNN que o governo está cauteloso com relação à tramitação de medidas importantes para o país e afirmou que as reformas serão discutidas após o segundo turno das eleições municipais, marcado para o dia 29 de novembro.

"Se levantarmos o debate sobre as medidas necessárias que precisam ser tomadas para a contenção de despesas, já que não queremos mexer no teto de gastos, em um período eleitoral, o posicionamento das lideranças terá a ver com período eleitoral e não com com aquilo que elas pensam sobre o assunto. E, depois de posicionadas, elas não poderão votar mais”, argumentou.

Assista e leia também:

Governo anuncia que programas sociais devem fechar ano com R$ 320 bi em repasses

Reforma tributária: 66% dos parlamentares são a favor de imposto único

Governo quer acelerar renegociação de dívida dos estados

Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara dos Deputados
Foto: CNN (17.nov.2020)

Por isso, garante o parlamentar, é prudente para o país, que quer avançar nas reformas e votar as quatro emendas constitucionais – reforma administrativa, tributária, PEC Emergencial e do Pacto Federativo –, "que tenhamos cautela de apresentarmos no momento em que possamos ter um posicionamento favorável à aprovação".

“E isso acaba nas eleições. Na próxima segunda [dia 30 de novembro], o governo estará se posicionando sobre as suas propostas, e o congresso rapidamente emitirá a sua opinião porque todos nós temos consciência da urgência da votação”, declarou Barros.

 

(Publicado por Sinara Peixoto)