Rezende: Culpa também é do governo brasileiro em exportação ilegal de madeira

No quadro Liberdade de Opinião, Sidney Rezende repercutiu a live mais recente do presidente do Jair Bolsonaro

Da CNN
20 de novembro de 2020 às 11:39 | Atualizado 20 de novembro de 2020 às 11:49


O presidente Jair Bolsonaro recuou em relação às declarações de que revelaria os nomes dos países que atuam como importadores ilegais de madeira do Brasil.

Durante transmissão pelas redes sociais nesta quinta-feira (19), Bolsonaro afirmou que, na verdade, o governo tem nomes de empresas que comprariam produtos brasileiros de forma ilegal, mas não de países.

No quadro Liberdade de Opinião desta sexta-feira (20), Sidney Rezende avaliou que a atitude do presidente visou evitar conflitos diplomáticos.

Leia também:

Bolsonaro volta a citar extração ilegal de madeira, mas não aponta culpados
Com quase 170 mil mortos, Brasil falará sobre superação do coronavírus no G20
PF investiga eventuais crimes financeiros de cúpula do Aliança

"Ao se puxar a linha do novelo, se descobriu que o Ibama facilitou para os madereiros venderem para o exterior sem fiscalizar, deixando a legislação um pouco mais frouxa. O próprio governo, portanto, foi o responsável [por essa venda ilegal]. Outro problema é que o presidente também foi alertado de que poderia abrir uma crise diplomática. E quem compra não são os países, são as empresas. Acho que esses três fatores fizeram o presidente recuar e mudar o seu discurso", disse Rezende.

O Liberdade de Opinião tem a participação de Sidney Rezende e Alexandre Garcia. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.