São João de Meriti tem denúncia de ação milicianos em locais de votação

Dr. João (DEM)  e Léo Vieira (PSC)  disputam o segundo turno em meio a um clima tenso

Leandro Resende
Por Leandro Resende, CNN  
29 de novembro de 2020 às 17:25

A Polícia Civil e o Disque-Denúncia receberam relatos de atuação de milicianos em locais de votação na cidade de São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Até às 14h deste domingo (29) a cidade concentra mais da metade das denúncias de compra de votos e boca de urna no Rio de Janeiro, onde cinco cidades tem disputa de segundo turno. O policiamento foi reforçado em sete locais de votação após relatos de que, no primeiro turno, milicianos armados, usando crachás de fiscais partidários, abordaram eleitores na hora do voto. 

Pela manhã, uma pessoa foi presa com material de campanha, dinheiro em espécie e uma arma em frente ao maior ponto de votação de São João de Meriti. Dr. João (DEM)  e Léo Vieira (PSC)  disputam o segundo turno em meio a um clima tenso: ambos foram à Polícia dizer que não fizeram campanha livremente devido a ação de criminosos. 

Leia e assista também

RJ: Milícia cria associação de moradores e avança sobre prefeituras, diz estudo

De acordo com o Disque-Denúncia, foram recebidas até às 14h 24 denúncias sobre o domingo eleitoral no Rio - 14 delas em São João de Meriti, com relatos, por exemplo,  de que R$ 100 estão sendo oferecidos aos eleitores antes da votação, em diversos bairros. Além disso, há informes sobre a realização de “corredores”  na entrada dos locais de votação  para coagir eleitores e de circulação de milicianos em diversos bairros da cidade. 

Em todo o estado, seis pessoas foram presas, até agora, por realização de boca de urna: duas em São João de Meriti e quatro em São Gonçalo, cidade com o segundo maior número de eleitores do estado.