Bolsonaro ignorou pedido de desculpas do ex-ministro Marcelo Álvaro Antônio

No mesmo grupo em que Marcelo encaminhou as críticas ao ministro da Secretaria de Governo ele encaminhou também desculpas pela forma como se manifestou

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
09 de dezembro de 2020 às 20:48 | Atualizado 09 de dezembro de 2020 às 20:51

 

O presidente Jair Bolsonaro ignorou uma última tentativa do agora ex-ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio de permanecer no cargo.

No mesmo grupo em que Marcelo encaminhou as críticas ao ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, ele encaminhou também desculpas pela forma como se manifestou.

Bolsonaro, porém, já estava decidido a demiti-lo, em um processo que durou dois dias e duas reuniões com Marcelo: uma na terça-feira (8) e outra nesta quarta-feira (9).

Leia e assista também:

Com foco em ações sobre vacina, STF deixa depoimento de Bolsonaro para 2021

Após STF vetar reeleição, governo sonda Alcolumbre para assumir ministério

Maia sobre eleição na Câmara: "Governo vai jogar pesado e rasgar seu discurso"

Em todo o processo, a avaliação é a de que Marcelo cometeu quatro erros. Primeiro, o que mais incomodou o presidente, foi o descumprimento de uma ordem dele dada após o episódio em que o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) criticou também Ramos. Bolsonaro pediu que quaisquer rusgas entre ministros fossem acertadas sem exposição pública. Marcelo Álvaro descumpriu a ordem. 

Segundo, na mensagem no grupo Marcelo dizia que Ramos pediu a cabeça dele ao presidente. Em uma das reuniões, Bolsonaro disse ao próprio Marcelo Álvaro que isso nunca ocorreu. 

Destaques do CNN Brasil Business:

BMW a R$ 24 mil e Pajero a R$ 26 mil: Santander faz leilão de carros na quinta

Ar-condicionado 'inteligente' não faz vento e promete gastar 82% menos energia

13º salário: como organizar e até investir parte do dinheiro do benefício

Terceiro, o presidente rejeitou a avaliação de Marcelo feita na mensagem de que o Palácio do Planalto não tem base aliada. Foram apresentadas a ele o resultado das votações na Câmara nesta semana, nas quais o governo conseguiu aprovar com folga diversos projetos.

Quarto, a avaliação foi a de que ele nunca teve a mesma força entre bolsonaristas da ala ideológica que Salles tem, e que, portanto, se manteve no cargo mesmo após confrontar Ramos publicamente. A leitura foi a de que, ao mirar em Ramos, Marcelo acabou atingindo o presidente.