Radar Político: Os embates políticos do ano sobre saúde, pandemia e vacina

No programa de hoje, os analistas falaram sobre os embates entre

Da CNN
14 de dezembro de 2020 às 14:03


No quadro Radar Político da CNN Rádio desta segunda-feira (14), os analistas Igor Gadelha, Caio Junqueira e Fernando Molica comentaram o fato de a política e a saúde terem caminhado de forma tão próxima ao longo de todo o ano de 2020.

"O presidente Jair Bolsonaro já dava sinais, ainda ali em março, de que pretendia partir para uma disputa política em torno da pandemia", disse Gadelha, relembrando os momentos de atrito do mandatário com alguns governadores, prefeitos e até políticos do próprio governo. "Não há vencedores. Na verdade, há perdedores, que é a população que está em busca de uma vacina."

Assista e leia também:
Radar Político: o cenário ao redor da demissão de Álvaro Antônio do Turismo
Radar Político: cresce pressão por compra de vacinas e plano de vacinação
Radar Político: Perdas e ganhos com impedimento de reeleição no Congresso

Caio Junqueira, Igor Gadelha e Fernando Molica comandam o Radar Político, na Rádio CNN
Foto: CNN Brasil

Junqueira falou sobre a pressão sofrida nos últimos dias pelo governo federal com relação à vacinação contra Covid-19. "Na semana passada o governo parece que acordou, falou 'a gente precisa acelerar esse processo'", afirmou ele.

"Sentiu a pressão e está tentando de alguma maneira se mexer para que pelo menos comece um processo de vacinação liderado pelo próprio governo central, e não deixar os governos estaduais tomarem as rédeas."

Para Molica, a situação da pandemia já é grave e fica ainda pior diante das crises políticas. "Você enfrentar um inimigo desses unido já é difícil. Enfrentar esse inimigo atirando para todos os lados, ou fazendo gol contra...", disse ele, relembrando a defesa da cloroquina pelo governo. "A gente perde muito tempo nessa confusão toda."

Molica também comentou o fato de o governador de São Paulo, João Doria, marcar uma data para o início da imunização da população sem ter a vacina registrada na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O analista disse que isso é uma forma de pressionar o governo federal, mas que acaba provocando mais ruídos.