Apesar de adesão a bloco de Maia, esquerda parte dividida para disputa na Câmara

Processo que levou o PT à decisão anunciada na tarde desta sexta-feira é o melhor exemplo de divisão

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
18 de dezembro de 2020 às 19:51 | Atualizado 18 de dezembro de 2020 às 20:15

 

Apesar da adesão formal ao bloco de Rodrigo Maia (DEM-RJ), a esquerda parte dividida para a eleição para a presidência da Câmara. 

O processo que levou o PT à decisão anunciada na tarde desta sexta-feira (18) é o melhor exemplo disso. A bancada, maior da casa com 54 deputados, estava dividida em três posições:  

1) lançar uma candidatura própria apenas com as oposições;

2) não aderir a Rodrigo Maia por entender que fortalecê-lo é fortalecer o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) - esse grupo entende que a vaga no segundo turno em 2022 será disputada com o governador paulista, não com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que já estaria com vaga garantida;

3) adesão completa a Maia para assegurar boas vagas na Mesa Diretora.

Leia também:

Quem são os candidatos às presidências da Câmara e do Senado

Maia sobre eleição na Câmara: "Governo vai jogar pesado e rasgar seu discurso"

Sem consenso, a construção política foi uma solução intermediária que envolvesse o lançamento de uma candidatura dentro do bloco de Maia. O principal operador dessa solução foi o líder da minoria, José Guimarães (PT-CE), que já havia liderado a bancada para apoiar Rodrigo Maia nas três vezes em que o deputado fluminense se elegeu presidente.  

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), por exemplo, defendia inicialmente o lançamento de uma candidatura própria.

Dos 31 deputados do PSB, segundo maior partido da oposição, 18 já avisaram que votarão em Arthur Lira. No PDT, a previsão, segundo deputados da bancada, é de que dos 28 deputados algo entre 13 e 15 prefiram Lira. 

Destaques do CNN Brasil Business:

Notas de R$ 200 encalham e menos de 10% do prometido circulam na economia

Audi terá hiato de produção no Brasil e pode desistir de fabricar no país

De R$ 13 a R$ 272 mil: quais são os IPVAs mais baratos e mais caros de São Paulo

Há uma preocupação nesses partidos de deixar Lira apenas nas mãos da direita e não abrir espaço para que ele firme compromissos com esse campo político. Além disso, a dupla PDT-PSB aposta em uma aliança para as eleições de 2022 que depende muito do sucesso de prefeituras eleitas neste ano, em especial nas capitais.

O PDT, por exemplo, venceu em Fortaleza com José Sarto e em Aracaju com Edvaldo Nogueira. O PSB elegeu João Campos no Recife e João Henrique Caldas em Maceió.  Todos, dizem parlamentares das siglas, dependem de verbas federais para fazerem bons governos.