Marcelo Crivella diz a desembargadora que não houve excesso na condução à prisão

Prefeito do Rio de Janeiro foi preso na manhã desta terça-feira (22)

Da CNN, em São Paulo
22 de dezembro de 2020 às 17:29 | Atualizado 22 de dezembro de 2020 às 17:47

 


Marcelo Crivella falou por cerca de 35 minutos com a desembargadora Rosa Helena Macedo na audiência de custódia sobre sua prisão no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, nesta terça-feira (22). O encontro entre os dois estava marcado para as 15h, mas só começou às 16h20 e teve uma duração superior à habitual para esse tipo de caso. 

Crivella disse que não houve excessos na condução à prisão, que não foi "violentado" nem "agredido" pelos policiais. O empresário Rafael Alves, que teve um iate apreendido em Angra dos Reis (RJ) é o segundo a ser ouvido.

Leia também
Prefeito Marcelo Crivella é preso no Rio de Janeiro
Entenda o que é a Operação Hades, que culminou na prisão de Marcelo Crivella
Em entrevista à CNN em novembro, Crivella afirmou que QG da Propina era 'fofoca'

Marcelo Crivella só aceitou beber água e não quis comer nada enquanto aguardava o advogado
Foto: Arquivo Pessoal

 


 A desembargadora deferiu o pedido de prisão do Ministério Público e faz a audiência de custódia com quatro dos presos na Operação Hades, que investiga a existência de um suposto 'QG da Propina' na prefeitura da cidade.

Caso continue preso, o prefeito seguirá para o presídio de Benfica, considerado porta de entrada para o sistema prisional do estado. Há um pedido de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e de anulação do afastamento da Prefeitura do Rio de Janeiro, reconduzindo-o ao cargo, que deixará em 9 dias. Enquanto a situação não é definida, o presidente da Câmara de Vereadores, Jorge Felippe (DEM), tornou-se prefeito em exercício do Rio de Janeiro.

(Publicado por Amauri Arrais)