Sem Planalto, Maia e Baleia buscam apoio de governadores

Presidente da Câmara intensificou ofensiva em busca da ajuda dos governadores para angariar votos a favor de seu candidato a sua sucessão

Por Igor Gadelha, CNN  
24 de dezembro de 2020 às 14:02 | Atualizado 25 de dezembro de 2020 às 17:35

 

Preterido pelo Palácio do Planalto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), intensificou ofensiva em busca da ajuda dos governadores para angariar votos a favor de seu candidato a sua sucessão no comando da Casa, o deputado Baleia Rossi (MDB-SP).

Pelos cálculos do grupo de Maia, Baleia poderá contar com apoio de 17 a 20 governadores. A ajuda se daria, entre outras formas, da mesma forma que o Planalto costuma atuar: por meio da oferta de cargos nas administrações estaduais para apadrinhados por deputados federais.

Leia também:
Em campanha pela presidência, MDB do Senado negocia entrada de novos senadores
Racha em partidos da oposição persiste mesmo após candidatura de Baleia Rossi
CPIs e veto à pauta de costumes: as exigências da oposição para Baleia Rossi

Rodrigo Maia (DEM/RJ) e Baleia Rossi (MDB/SP)
Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo


Horas após anunciar oficialmente a candidatura de Baleia, na tarde desta quarta-feira (24), o presidente da Câmara e o parlamentar do MDB decolaram rumo ao Recife para encontrar o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB).

Embora tenha aderido oficialmente ao bloco liderado por Maia, o partido do governador está rachado. Pelo menos 15 dos 31 deputados da sigla avisaram ao comando da legenda que não concordaram com a decisão e que preferem apoiar Arhtur Lira (PP-AL), nome preferido do Planalto.

Baleia também tenta vencer resistência no PT. Alguns deputados da sigla resistem a apoiar o parlamentar, pelo fato de ele ser presidente nacional do MDB, partido que liderou o movimento pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Nesse trabalho em busca de votos não só petistas como de candidatos de outras legendas na Câmara, o candidato de Rodrigo Maia já vem contando com a ajuda de dois dos três governadores do PT: Camilo Santana, do Ceará, e Wellington Dias, do Piauí.