Lira começará campanha à presidência da Câmara por Belém e Manaus

O deputado preferiu começar a campanha pelo Norte em vez do Nordeste: ele quer buscar o apoio de deputados da oposição benquistos na região

Larissa Rodrigues, da CNN, em Brasília
27 de dezembro de 2020 às 17:56
Arthur Lira, deputado federal: campanha para a presidência da Câmara começará pelo Norte
Foto: CNN Brasil

Candidato à presidência da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) marcou para a primeira semana de janeiro uma viagem ao Norte do país. A intenção do parlamentar é visitar Belém (PA) em 5 de janeiro e, no dia seguinte, irá à Manaus, acompanhado do deputado Marcelo Ramos (PL-AM).

Ramos foi cotado para concorrer à presidência da Casa, mas desistiu após o Palácio do Planalto declarar apoio a Lira e o PL entrar no grupo.

Leia também:
Como funcionam as eleições para presidente da Câmara e do Senado
Bolsonaro diz ter pressa por vacina e diz que ela não será obrigatória

A CNN apurou que Lira preferiu começar pelas cidades do Norte, porque aguarda uma definição dos partidos da oposição antes de traçar uma estratégia para conquistar votos no Nordeste do país.

O deputado e líder dos partidos de centro na Câmara dos Deputados acredita ser mais fácil visitar as cidades nordestinas acompanhado de parlamentares benquistos nos locais. 

Nesta segunda (28), deputados da oposição realizam uma reunião on-line com o principal adversário de Lira, o presidente do MDB, Baleia Rossi (SP). Segundo parlamentares do PT e PCdoB, a intenção do encontro é apresentar uma carta ao emedebista com compromissos que sua campanha precisará assumir para contar com o apoio do grupo.

No documento, haverá pedidos de que Baleia, que conta com o apoio do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se comprometa a dar mais espaço à oposição, em especial, em comissões parlamentares. 

Lira também tem usado em seus encontros com deputados o tom de que irá descentralizar o poder da Casa e respeitar a proporcionalidade de bancadas para definir relatores de matérias e comissões. A intenção do parlamentar do PP é que com esse discurso consiga atraia ao menos dissidentes de partidos como PT, PDT, PSB e PCdoB.