‘É bom que pensem que continuo na faixa dos 30 votos’, diz Simone Tebet

Senadora do MDB descarta desistência de candidatura e foca nas mulheres da Casa para angariar votos

Chico Prado, da CNN, em Brasília
18 de janeiro de 2021 às 16:48 | Atualizado 19 de janeiro de 2021 às 19:42

 

Simone Tebet (MDB-MS), candidata à presidência do Senado, reafirmou à CNN nesta segunda-feira (18) que tem tido conversas individuais com colegas de bancadas que apoiam o adversário dela, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e que vem tendo sucesso nessas abordagens. 

No entanto, Tebet evita dizer com quais senadores está negociando, alegando que haverá uma ofensiva do outro lado para tentar reverter os votos que, ela diz, tem conseguido conquistar com a estratégia do olho no olho.

“Hoje foram quatro conversas até o momento e com três votos conquistados, mas é bom que pensem que continuo na faixa dos 30 votos.”

Apoio no MDB

Simone Tebet rechaçou conversas de bastidores sobre a possibilidade de o MDB abandonar a candidatura dela e negociar apoio a Pacheco.

“Em hipótese alguma, isso é notícia velha. O MDB foi preterido pelo governo (que apoia Pacheco) e a minha candidatura não foi imposta. O partido não sairá menor do que entrou. Aqueles que não votaram em mim da outra vez (nas eleições de 2019) estão me apoiando agora.”

Mulheres na mira

As 11 senadoras da Casa estão na mira de Simone Tebet, que é a primeira mulher a disputar o cargo na história do Senado.

A emedebista também argumentou à CNN que entrou na campanha quase um mês depois que Rodrigo Pacheco que já conta, em tese, com 46 votos, entre apoios formais de partidos e dissidências em bancadas que apoiam o nome dela.

No PP, que decidiu apoiar Pacheco, Simone conseguiu o voto de Esperidião Amin (SC) e tenta conquistar Kátia Abreu (TO), Daniella Ribeiro (PB) e Mailza Gomes (AC). No PROS, que está com Pacheco, há a senadora Zenaide Maia (RN) e, no PSB, que ainda não se posicionou, Leila Barros (DF).

Há também o PSL, da senadora Soraya Thronicke (MS), onde o líder Major Olímpio (SP) mantém a candidatura própria à presidência do Senado.

No PSDB, que tem sete senadores e liberou a bancada, Simone Tebet tem três votos possíveis, entre eles o da única mulher da bancada, Mara Gabrilli (SP).