Futuro comando da Comissão de Relações Exteriores do Senado preocupa governo

Temor é que indicação de Kátia Abreu (PP-TO) dificulte a aprovação de nomes indicados pelo presidente Jair Bolsonaro

Por Igor Gadelha, CNN  
08 de fevereiro de 2021 às 06:56
A senadora Kátia Abreu (PP-TO)
Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O Palácio do Planalto acompanha de perto as articulações para escolha não só dos presidentes das comissões de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e do Senado como de outros colegiados das duas Casas.

Uma das preocupações de integrantes do governo, nos bastidores, tem sido com a provável indicação da senadora Kátia Abreu (PP-TO) para a presidência da Comissão de Relações Exteriores do Senado.

O temor é de que a senadora dificulte a aprovação de nomes indicados pelo presidente Jair Bolsonaro para embaixadas e missões diplomáticas. Uma das funções da comissão é justamente sabatinar os indicados.

Em dezembro do ano passado, Kátia articulou a rejeição, no plenário do Senado, da indicação do diplomata Fábio Marzano para delegado permanente do Brasil na missão da ONU em Genebra.

À CNN, a senadora, que é crítica à gestão do chanceler Ernesto Araújo, afirmou que não pretende assumir o cargo para perseguir o governo. “Minha posição sempre é construir. Agora, não sou capacho, nem encabrestada”.

Kátia disse que pretende atuar pelo bem do país e em conjunto com os demais membros da comissão. “Se estou colocando medo em alguém, paciência. Não sou irresponsável nem imatura”, declarou.

Procurado oficialmente, o Palácio do Planalto disse que não comentaria. Já o Itamaraty afirmou à CNN que a definição do comando das comissões é uma questão “interna corporis” do Senado.

“O Itamaraty pauta-se, permanentemente, pelo propósito de trabalhar de maneira construtiva e coordenada com o Congresso Nacional”, disse o Ministério das Relações Exteriores em nota.

Câmara

Na Câmara, a Comissão de Relações Exteriores tem sido objeto de desejo da ala bolsonarista do PSL, que comandou o colegiado até aqui, por meio do deputado Eduardo Bolsonaro.

Para este ano, os bolsonaristas querem a presidência da comissão para indicar o deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP).