'Misto de incredulidade e desesperança', diz Fux sobre o 1º ano de pandemia

Presidente do STF abriu a sessão desta quinta-feira (11) relembrando o dia em que a OMS declarou a ocorrência de pandemia por Covid-19 no mundo

Da CNN, em São Paulo
11 de março de 2021 às 17:55

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux abriu a sessão da Corte nesta quinta-feira (11) falando sobre o avanço da Covid-19 no país. O ministro lamentou o recorde de mortes em 24 horas registrado no dia anterior, e disse que um "misto de incredulidade e desesperança" atinge os brasileiros.

"Há exatamente um ano, em 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde declarava a ocorrência da pandemia da Covid-19", disse Fux. "O Brasil ainda vive o seu quadro mais crítico desde março de 2020. Diante desse contexto, um misto de incredulidade e desesperança atinge muitos de nós, que nos perguntamos: 'até quando?'".

"O nosso país precisa, mais do que nunca, de diálogo e de união entre os Três Poderes, entre os agentes políticos de todos os níveis federativos e de todas as ideologias, entre os setores público e privado, e, enfim, entre todos os cidadãos", completou Fux.

"Precisamos trabalhar em prol de medidas eficazes para que a ciência e os bons propósitos possam finalmente vencer o vírus. Não temos tempo a perder"

Luiz Fux, presidente do STF

 

Um ano de pandemia 

A declaração de pandemia por causa do novo coronavírus completou um ano nesta quinta-feira (11) com números divergentes ao longo do mundo. Apesar de a vacinação contra a Covid-19 estar acontecendo em diversos países, as mortes pela doença ainda são robustas. 

Um ano depois, o novo coronavírus já infectou mais de 118 milhões e matou mais de 2,6 milhões de pessoas pelo mundo. Esses dados são da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

O país, inclusive, tem o maior número de vítimas: cerca de 530 mil. Nesse ranking, o Brasil  vem em segundo lugar: o número de mortos passa dos 270 mil.

(Publicado por Daniel Fernandes)