Empresários saem mais otimistas de encontro com ministro Ricardo Salles

Na reunião, o ministro indicou que o governo vai antecipar o compromisso de redução do desmatamento ilegal para o ano que vem

Renata Agostini
Por Renata Agostini, CNN  
21 de abril de 2021 às 15:27 | Atualizado 21 de abril de 2021 às 15:59

Um grupo que engloba parte dos maiores empresários do país se reuniu nesta quarta-feira (21) com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, para debater a política ambiental do governo. Preocupados com a imagem do Brasil no exterior, que pode afetar investimentos, os empresários disseram ter saído da conversa um pouco mais otimistas.

Na reunião, o ministro indicou que o governo vai antecipar o compromisso de redução do desmatamento ilegal para o ano que vem. Em carta enviada ao presidente do Estados Unidos, Joe Biden, Jair Bolsonaro sinalizou 2030 como a meta do país para acabar com o desmatamento, uma oferta que vinha sendo considerada tímida pelos empresários.

Salles também falou ao grupo que o governo irá ampliar o orçamento para as atividades de fiscalização. Segundo apurou a CNN, a intenção do ministro é quase dobrar o valor destinado a Ibama e ICMBio, que convivem há dois anos com corte de verbas e com ameaças de paralisação.

 

O ministro do Meio Ambiente também voltou a falar sobre o pedido de US$ 1 bilhão aos Estados Unidos para custear atividades de preservação. Ele argumentou que o dinheiro é essencial para que o país consiga inibir o desmatamento e preservar a Amazônia.

O encontro foi promovido pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e acontece na véspera da abertura da Cúpula do Clima, na qual o Brasil deve sofrer forte pressão estrangeira. O grupo de empresários pediu a conversa com Salles após externar preocupação com o assunto ao presidente Jair Bolsonaro, com quem conversaram no dia anterior (20).

Além do ministro do Meio Ambiente, estava presente a ministra Tereza Cristina, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O chanceler Carlos Alberto França estava previsto na reunião, mas não pôde comparecer e enviou um representante de sua equipe.

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, em entrevista para a CNN (28.set.2020)
Foto: CNN Brasil

O tom foi de cobrança, mas também de colaboração. Os empresários propuseram ajuda da iniciativa privada a elaborar uma pauta propositiva e aumentar a fiscalização. Ao fim da conversa, avaliaram como “construtiva”.

Os empresários afirmam que a segunda rodada de conversas foi importante para acalmar os ânimos. O grupo havia ficado alarmado com a fala de Salles na terça-feira, 20. O ministro discursou ao final do encontro com Bolsonaro e deixou muitos preocupados. Na ocasião, o ministro fez um discurso “ideológico” e pouco prático aos olhos dos empresários. Ele destacou, por exemplo, que os países estrangeiros desmatam mais do que o Brasil e que o país era alvo de interesses das nações mais ricas.