Senadores da CPI da Pandemia decidem pedir condução coercitiva de Carlos Wizard

A convocação de Wizard para depor na CPI já foi aprovada e agendada para a próxima semana, porém o empresário não respondeu às convocações

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
10 de junho de 2021 às 15:02 | Atualizado 10 de junho de 2021 às 15:42

A CPI da Pandemia decidiu pedir condução coercitiva do empresário Carlos Wizard à justiça porque ele não respondeu à notificação para depor na semana que vem. A informação é do senador Randolfe Rodrigues, vice-presidente da comissão.

À CNN, o senador afirmou que "o paradeiro de Wizard é desconhecido e incerto. Ele sumiu". A CPI notificou o empresário em sua casa no interior de São Paulo. No entanto, a comissão, de acordo com Randolfe, recebeu informações de que ele está nos Estados Unidos.

 

"Se estiver no exterior mesmo, a PF vai esperá-lo no aeroporto", explica. Wizard foi cotado para secretário de Ciência e Tecnologia, do ministério da Saúde, área que cuida da incorporação de medicamento e tecnologias no SUS. Para a cúpula da CPI, ele era um auxiliar de Bolsonaro no suposto gabinete paralelo.

A CNN procurou o empresário Carlos Wizard, que não retornou ainda os contatos.

Outro depoimento

Como plano B, caso o depoimento de Carlos Wizard não ocorra, a CPI vai antecipar a oitiva do auditor Alexandre Figueiredo, suspeito de incluir uma tabela com dados equivocados sobre coronavírus no sistema do Tribunal de Contas da União (TCU). O documento foi utilizado pelo presidente Jair Bolsonaro como base para afirmar, equivocadamente, que metade das mais de 470 mil mortes registradas no Brasil não foram por Covid-19.

Carlos Wizard
Carlos WIzard Martins, empresário: "É hora de criar um processo de conscientização"
Foto: Sforza Holding/Divulgação