Aziz: Se Wizard não for à CPI, demonstrará que está preocupado com a situação

Presidente da CPI da Pandemia diz que comissão também quer apurar quem do governo bancou propaganda para 'kit Covid'

Produzido por Layane Serrano, da CNN, em São Paulo
14 de junho de 2021 às 13:29

A CPI da Pandemia no Senado espera ouvir nesta semana o depoimento do empresário Carlos Wizard, apontado como membro de um suposto gabinete paralelo que dava orientações ao Ministério da Saúde para o combate da Covid-19.

Presidente da comissão, o senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou em entrevista à CNN que Wizard está ciente da convocação e, caso não compareça, será usado "meios legais" para fazê-lo depor. "Ele foi notificado. Foi mandado correspondência para as residências que ele tem no Brasil. Pelo WhatsApp, ele leu a mensagem e não respondeu. Conhecimento ele tem, e sabe que quinta-feira (17) tem que estar na CPI", afirmou Aziz. 

Segundo o presidente da comissão, o depoimento do empresário é fundamental para esclarecer o teor das diversas reuniões que ele teve no Ministério da Saúde. "É importante ouvi-lo e ele se negando a vir, demonstra que está preocupado com a situação."

Na terça-feira (14), a CPI ouve o ex-secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo. O governador do estado, Wilson Lima, não compareceu na semana passada e, para Aziz, agora cabe a Campêlo explicar a falta de oxigênio em Manaus, entre outros assuntos que já foram levantados na comissão.

"O ex-secretário de Saúde tem muita coisa para esclarecer. Primeiro, as datas que o Amazonas ficou sabendo que faltaria oxigênio. Segundo, quando ele comunicou e pediu ajuda ao governo federal. Um diz que foi dia 7; outro dia 8, e o ministro diz que foi dia 10", disse Aziz, acrescentando que também quer ouvir de Campêlo explicações sobre o aplicativo TrateCov e seu uso no Amazonas. 

Investigados na CPI

A partir de agora, Aziz afirmou ser "lógico" que algumas testemunhas que já foram ouvidas pelos senadores passem a ser investigadas na CPI da Pandemia. "Os nomes não vou dizer porque quem está vendo isso é o senador Renan Calheiros. Como relator, ele que tem os dados necessários para formatar e dizer o por quê desses depoentes que foram como testemunhas se tornarem investigados, Isso vai acontecer naturalmente até porque algumas conclusões a CPI já têm concretas. Uma delas é o Brasil não ter dado importância para a compra de vacinas."

Senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Pandemia, falou sobre próximos passos da comissão
Foto: CNN Brasil (14.jun.2021)

O presidente da comissão também revelou que entre os próximos passos está identificar quem financiou aquisição e propagandas de remédios que integram o chamado "kit Covid". 

"Nós estamos atrás agora do gabinete do ódio que propagou essa medicação e os laboratórios que venderam. Quem bancou essa propaganda, que vai contra a ciência, de que esses remédios salvariam? O exemplo que posso dar é do próprio presidente usando uma caixa de cloroquina e mostrando como um remédio milagroso."