Governo vai suspender visitas caso coronavírus chegue a presídios brasileiros


Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  Da CNN Brasil, em Brasília
06 de Março de 2020 às 09:30 | Atualizado 12 de Março de 2020 às 13:11
Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e o secretário paulista de Saúde, José Henrique Germann Ferreira, durante coletiva no Distrito Federal para falar sobre 1º brasileiro infectado por novo coronavírus (26.fev.2020)

Crédito: José Cruz/Agência Brasil

Com o aumento de casos do novo coronavírus no Brasil, o Ministério da Saúde alertou a pasta da Justiça para que providencie um plano para a eventual chegada do COVID-19 aos presídios do país.

As medidas foram estabelecidas nesta semana. O governo decidiu que, caso algum detento tenha a doença confirmada, suspenderá as visitas no respectivo presídio e isolará os presos infectados. O plano destaca também um reforço nos cuidados com higiene pessoal.

Na quinta-feira (5), o Ministério da Saúde informou que o Brasil tem oito casos confirmados da doença,  dois deles ocorreram por transmissão local - ou seja, os pacientes pegaram a doença em território nacional.

São seis pessoas com diagnóstico positivo no estado de São Paulo, uma no Rio e uma no Espírito Santo. Dois dos pacientes de São Paulo se infectaram a partir do primeiro caso confirmado do COVID-19, segundo o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira. "A partir do primeiro caso, tivemos duas transmissões: um familiar e outro que teve contato com o familiar", disse ele.

Apesar de confirmar a transmissão local do novo coronavírus, o secretário negou que o COVID-19 esteja "circulando na comunidade", porque foi possível "traçar a origem da transmissão".

A pasta ainda monitora 636 casos suspeitos. Outros 378 já foram descartados por exames laboratoriais.