Casos confirmados de coronavírus no Rio passam de três para oito


Da CNN Brasil, em São Paulo
09 de março de 2020 às 19:03
Pessoas usam máscaras protetoras no aeroporto do Rio de Janeiro

Passageiros usam máscaras ao desembarcar no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro

Foto: Ricardo Moraes - 6.mar.2020/Reuters

A Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro informou nesta segunda-feira (9) que já há oito casos do novo coronavírus confirmados no estado. Até este domingo (8), eram apenas três pacientes com teste positivo para o COVID-19. O Rio tem ainda 123 pessoas com suspeita da doença.

Em todo o país, o Ministério da Saúde contabilizou 25 casos confirmados, mas sem contar as novas ocorrências do Rio, que foram divulgadas após a totalização feita diariamente pelo governo federal. Ao todo, há 930 casos suspeitos no Brasil.

Os novos pacientes são três homens (de 27, 42 e 70 anos) e duas mulheres (de 56 e 61 anos) que residem em Niterói (1) e Rio de Janeiro (4). Todos estão em isolamento domiciliar e apresentam estado de saúde estável. Além deles, há uma paciente com coronavírus em Barra Mansa, no Sul Fluminense, e outras duas na capital.

De acordo com a secretaria, os pacientes retornaram de viagens à Europa entre os dias 3 e 5 de março, com passagem por países como Itália, Portugal, Espanha, Suíça, Holanda, Israel, Egito e Grécia, apresentando febre, tosse e dor muscular, entre outros sintomas. Quatro deles recorreram à rede de saúde particular e um recebeu atendimento médico domiciliar.

"Reforço que, até o momento, continuamos sem transmissão ativa do vírus no Rio de Janeiro. Os casos confirmados até agora são importados do exterior. Permanecemos no nível zero do nosso plano de contingência. Alerto a população para os cuidados para prevenir o contágio, como higienizar as mãos com frequência e evitar levá-las ao rosto", disse Edmar Santos, secretário de Estado de Saúde.

O secretário esclarece ainda que técnicos da secretaria analisam o comportamento do vírus no Hemisfério Sul, como grau de transmissibilidade e letalidade.

Governo estuda atendimento por telefone

O Ministério da Saúde estuda a implementação de atendimento via telefone e de serviços de telemedicina (atendimento remoto por médico) voltados especificamente para o combate ao novo coronavírus (COVID-19), apurou a CNN Brasil nesta segunda-feira (9) com fontes do governo federal. O objetivo é diminuir a quantidade de pessoas que vão ao posto de saúde desnecessariamente.

O anúncio dos serviços de atendimento ainda não tem data para acontecer. Enquanto isso, o ministério anunciou que vai disponibilizar recursos para que as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) dos municípios possam ampliar em até 40% o horário de atendimento. Uma portaria sobre o tema será publicada em breve. Cada prefeitura deve solicitar a adesão, e poderá contratar novos profissionais ou ajustar a escala de atendimento dos profissionais. 

O ministério também afirmou que deve publicar ainda nesta semana um edital para a contratação de 5 mil médicos pelo programa Mais Médicos. O início das inscrições está previsto para a próxima segunda-feira (16).

Também houve anúncios de mudanças nos testes para a confirmação do COVID-19. Agora, pessoas de municípios com casos confirmados, mesmo com resultados negativos para outros vírus da gripe e sem histórico de viagem, vão fazer o teste para o novo coronavírus.

Todas as pessoas que chegam ao Brasil por voos de países do hemisfério norte e apresentam sintomas de gripe estão sendo investigadas como casos suspeitos. 

Segundo números divulgados pela OMS (Organização Mundial da Saúde) no começo da tarde, há 110.029 casos confirmados do novo coronavírus em 105 países e territórios. Ao todo, 3.817 pessoas morreram por causa da doença. 

Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil